Hospitais testam serviço médico da Apple nos USA

A tecnologia de saúde da Apple está se disseminando rapidamente entre grandes hospitais nos Estados Unidos,
mostrando-se promissora como uma maneira para que médicos monitorem pacientes remotamente e reduzam os
custos.
Catorze dos 23 principais hospitais contatados pela Reuters disseram que implementaram um programa piloto do
serviço HealthKit, da Apple - que age como um repositório para informações de saúde geradas pelo paciente como
pressão sanguínea, peso ou frequência cardíaca - ou estão em entendimentos para fazê-lo.
Os programas têm como objetivo ajudar médicos a monitorar pacientes com doenças crônicas como diabetes e
hipertensão. Rivais da Apple como o Google e a Samsung, que lançaram serviços similares, estão apenas começando a se
aproximar de hospitais.
Esses sistemas prometem permitir que os médicos fiquem cientes de sintomas e intervenham antes que um problema
de saúde se torne agudo. Isso pode ajudar hospitais a evitar admissões repetidas, pelas quais eles são agora penalizados
sob as novas diretrizes do governo americano, tudo a um custo relativamente baixo.
O mercado de saúde nos EUA é de US$ 3 trilhões, e a empresa de pesquisa IDC Health Insights prevê que 70% das
organizações de saúde no mundo todo farão investimentos até 2018 em tecnologia, incluindo aplicativos, dispositivos de
vestir, monitoramento remoto e atendimento virtual.
O HealthKit, da Apple, colhe dados de fontes como equipamentos de medição de glicose, aplicativos de
acompanhamento de exercícios e alimentos e balanças com conexão Wi-Fi. O relógio Apple Watch, que deve ser lançado
em abril, promete aumentar o leque de dados disponíveis.
Nos EUA, hospitais testam serviço médico da Apple

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha