Pular para o conteúdo principal

Mi Pad 2 em duas versões distintas Windows 10 ou Android

Além do novíssimo Redmi Note 3, oficializado com com metal, biometria e alto custo-benefício, Xiaomi também aproveitou esta terça-feira, 24 de novembro, para investir novamente no mercado de tablets. O sucessor do Mi Pad, o primeiro, e, anteriormente, único, dispositivo da categoria já lançado pela companhia chinesa, chegou com tudo para tentar conquistar os fãs de dispositivos portáteis avantajados, recebendo uma tela comprida e própria para a exibição confortável de conteúdo. Embora as dimensões do novo aparelho sejam quase idênticas às de seu antecessor, mantendo o mesmo tamanho do display, por exemplo, mudanças notáveis transformam sua construção e a experiência geral oferecida ao consumidor. Mas o que deve ser realmente a 'mudança de jogo' é a disponibilidade tanto do Android quanto do Windows 10. Descubra mais sobre o Mi Pad 2 logo abaixo.
Xiaomi Mi Pad 2

Para este produto, Xiaomi seguiu o padrão formado no mercado atual de tablets, dando continuidade à plataforma retangular, vista vastamente em gadgets feitos por outras fabricantes. Nada de firulas em sua construção, tentando conquistar o consumidor pela simplicidade de arredondar os cantos da estrutura e moderar bem a moldura formada entre o visor e o fim da carcaça, que, por sinal, é feita inteiramente em metal. Desta forma, ao invés de utilizar o policarbonato, presente em seu sucessor, Mi Pad, por exemplo, a empresa asiática decidiu que era hora de elevar a experiência geral promovida pelo seu tablet. Ainda assim, ao contrário do Redmi Note 3, não há um leitor de impressões digitais embutido em sua carcaça.
Escolha entre Android Lollipop e Windows 10




Os boatos estavam certos, felizmente. Quem optar por levar uma unidade do Xiaomi Mi Pad 2 para casa poderá escolher entre dois sistemas operacionais distintos, divididos em uma dupla de versões do novíssimo talbet feito pela fabricante oriental. Quem é fã da Google pode aproveitar as funções do Android 5.1 Lollipop, além das novidades exclusivas, inclusas na interface própria da companhia chinesa, MIUI 7. Por outro lado, os entusiastas da Microsoft também não ficarão na mão, pois um modelo 'quentinho' com Windows 10 também foi criado pela empresa asiática, portanto basta selecionar qual alternativa é mais vantajosa a você, antes de desembolsar a quantia pedida por ela.
Especificações técnicas e preço

O tablet da Xiaomi, em adição à sua construção metálica, priorizando a experiência 'premium' aos usuários, e a opção de escolha entre o universo Android ou Windows, também conta com uma lista interessante de especificações técnicas, selecionadas a dedo pela marca da China, tentando equilibrar o desempenho oferecido ao preço cobrado ao consumidor final. E parece que o resultado irá agradar os entusiastas de tablets, pelo menos os que procuram algo bem diferenciado no mercado atual, visto que os componentes escolhidos pela gigante da Ásia são bem diferentes do usual. Acompanhe abaixo a lista completa que pode ser encontrada ao desmontar ou analisar o modelo:
Tela de 7,9 polegadas, usando a resolução de 2048 x 1536 pixels, resultando em 326 pixels por polegada
2 GB de RAM (LPDDR3)
Chipset Intel X5-Z8500
Processador de quatro núcleos, rodando, no máximo, a 2,4 GHz cada
Intel HD Graphics como placa gráfica
16 GB ou 64 GB de memória para o armazenamento interno
Câmera principal de 8 megapixels (sem LED para o flash)
Câmera frontal de 5 megapixels
Bateria de 6.190 mAh
Android 5.1 Lollipop ou Windows 10 com sistema operacional, podendo incluir a interface MIUI 7

Nota-se que o chipset utilizado pela Xiaomi em seu novo tablet, Intel X5-Z8500, é feito em litografia de 14 nanômetros, igual ao Exynos 7420, por exemplo, promovendo uma eficiência acima da média na organização do desempenho em relação ao consumo de energia. Em termos de potência, o componente é equiparado ao Qualcomm Snapdragon 808, portanto deve suprir as necessidades dos clientes, mesmo com a alta resolução da tela. Já o preço se mantém nos padrões da companhia chinesa, deixando-o abaixo dos padrões.

A versão com 16 GB de espaço nativo custa US$ 156, enquanto a com 64 GB sai por US$ 203, ou R$ 582 e R$ 757, usando a cotação atual do dólar como base de conversão, desconsiderando os impostos brasileiros, respectivamente. Aparentemente, um modelo que suporta as redes 4G LTE não foi criado pela empresa asiática. As vendas da variação com Android devem começar em breve, enquanto o produto com Windows pode ser lançado em meados de dezembro, pelo menos no exterior, já que não há detalhes sobre a disponibilidade internacional da novidade.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Os brasileiros precisam estar cada vez mais atentos com a segurança digital dos seus computadores e celulares. Um relatório da Norton by Symantec revela que o país é o terceiro com mais dispositivos infectados por hackers através de bots.
O país também se destacou como sendo o mais afetado da América Latina, com 37% dos equipamentos infectados. As cidades de São Paulo (36,3%), Rio de Janeiro (20,74%) e Curitiba (6,29%) concentram a maior parte das infecções no país. Além disso, a capital paulista é a segunda com o maior número de dispositivos infectados, ficando atrás somente da Cidade do México.

Veja as dez cidades brasileiras e da América Latina que mais sofrem ataques hackers:

Apenas em 2016, foram identificados mais de 6,7 milhões de dispositivos que foram adicionados à rede global de botnets – os bots são dispositivos conectados à internet infectados com malware que permitem que hackers assumam remotamente o controle de muitos dispositivos ao mesmo tempo –, sendo que mais de 689…

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

(Foto: Reprodução)
Como recuperar fotos apagadas do Instagram


Caso você tenha apagado uma foto bacana do Instagram e queira recuperá-la, existem duas possibilidades de fazer isso, embora nenhuma delas garanta que sua imagem será de fato recuperada.

Abaixo explicamos de duas maneiras como encontrar uma foto que você já postou no Instagram. Uma delas depende do Facebook, enquanto a outra aposta na câmera do seu smartphone para resgatar imagens antigas.

Pelo Facebook

Caso você tenha vinculado sua conta do Instagram ao Facebook e costume postar as fotos nas duas redes simultaneamente, é bem provável que a foto removida do Instagram também esteja no seu Facebook.

Para encontrá-la, entre no seu perfil na rede social de Zuckerberg e procure pelos álbuns de fotos. Um deles chama "Instagram Photos" e conta com todas as imagens enviadas ao Facebook por conta do Instagram. Lá dentro, é só procurar a foto que você quer no meio delas.

Nas fotos do seu smartphone

Caso você mantenha ativada a opçã…

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha

(Foto: Reprodução/Mashable)
GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha

A GoPro anunciou uma nova geração de sua tradicional câmera de ação. A Hero 6 Black chega para suceder a Hero 5 revelada no ano passado e traz uma série de novas capacidades para a câmera em termos de captura de imagem e conectividade.

Em termos de imagem, os usuários vão poder aproveitar a nova tecnologia para registrar vídeos em resolução 4K a uma taxa de 60 quadros por segundos. O modelo anterior só conseguia registrar 30 quadros por segundo nessa resolução. Além disso, quem preferir registrar vídeo em HD poderá aproveitar uma taxa de até 240 quadros por segundo, enquanto o antecessor só chegava a 120.

Já sobre conectividade, a chegada do suporte a redes Wi-Fi de 5 GHz será bem-vindo para quem já fez a transição para um roteador mais recente, com padrão 802.11ac. Isso pode permitir maiores taxas de transferência, o que é sempre uma boa notícia.

Outras mudanças incluem a melhoria na estabilização de ima…