Brasileiros criam smartphone para competir com marcas internacionais A Quantum Go


Desenvolvido pela Quantum, uma unidade de negócio da Positivo, smartphone foi feito sob medida para o consumidor brasileiro




Thiago Miashiro, Marcelo Reis e Vinicius Grein se conheceram trabalhando juntos na Positivo

Mais de 14 milhões de smartphones foram vendidos no Brasil no primeiro trimestre de 2015, um número 33% maior do que o alcançado no mesmo período do ano passado, segundo dados da IDC Brasil. Querendo aproveitar o potencial desse mercado, três empreendedores montaram uma nova frente de negócios dentro da Positivo Informática, a Quantum, focada no desenvolvimento e na venda de dispositivos eletrônicos através de plataformas online.

A frente do projeto está Marcelo Reis, 30 anos, formado em engenharia e empreendedor desde 2013. Vinicius Grein, 32 anos, engenheiro com mais de 10 anos de experiência em empresas de tecnologia e responsável pelo desenvolvimento de produtos, e Thiago Miashiro, 28 anos, homem do marketing da Quantum.

Reis deixou a Positivo em 2013 para montar a Mobfirst, empresa de desenvolvimento de aplicativos e sites móveis. No fim do ano passado, o empreendedor contatou Grein e Miashiro, funcionários da Positivo, e apresentou o projeto da Quantum, inspirado pelo sucesso de empresas como a chinesa Xiaomi. "Reparamos em um movimento no mercado de tecnologia de países emergentes como Malásia e Índia que utiliza a venda direta. O produto sai direto do chão da fábrica para os consumidores, sem intermediários, evitando taxas e reduzindo o preço final", diz.

Juntos, os três foram até o presidente da empresa, Hélio Rotenberg, para saber se a Positivo teria interesse em investir no projeto. "Quando eu apresentei o projeto para o presidente, eu senti um certo pé atrás. Mas ele gostou da ideia. Depois de apresentações e conversas, eu fiz um pitch, como os donos de startups fazem, e os convenci", afirma.


Quantum Go está à venda em duas versões, por R$ 699 e R$ 899 (Foto: Divulgação/Quantum)

Para lançar o primeiro produto da Quantum, o smartphone Quantum Go, foram necessários oito meses de pesquisas e desenvolvimento. "Para ele ficar pronto, foram diversas idas e vindas da Ásia para formatar o aparelho de acordo com as pesquisas sobre os hábitos de consumo dos brasileiros", diz Reis. O empreendedor afirma que a ajuda dos engenheiros asiáticos foi vital para dar vida ao aparelho. "Foi um trabalho a quatro mãos".

"Descobrimos que o design é fundamental para o brasileiro comprar um smartphone. Além disso, percebemos que o usuário faz muitas coisas no celular ao mesmo tempo, então entendemos que era necessário investir na capacidade de memória", diz Grein. Mantendo o formato de venda direta, o Quantum Go está a venda no site da empresacom modelos que variam de R$ 699 ou R$ 899.

Em contrapartida, as pesquisas revelaram uma dificuldade do consumidor brasileiro para comprar um celular sem antes tocar e ver com os próprios olhos. A solução encontrada pelos empreendedores foi espalhar 20 quiosques em Shoppings pelo Brasil para apresentar o produto ao público. Em São Paulo, é possível encontrar os smartphones nos Shoppings Eldorado, Ibirapuera e Santa Cruz.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa