Adeus iPhone, olá Android

Resultado de imagem para iPhone X Android
Apple está correndo atrás para provar que consegue ser tão eficiente quanto o Google, mas está atrasada


Meu celular morreu essa semana. Era um iPhone 6, próximo de fazer dois anos de idade. Já me habituei com o fato de que, para quem trabalha com tecnologia, o aparelho não dura mesmo muito. Tem de ser trocado, no máximo, de dois em dois anos. Não tive todos os modelos de iPhone, mas tive um de cada geração a partir do iPhone 3G. Foi ele, depois um 4, depois um 5, um 5s e, agora, esse 6. Estou com um aparelho antigo, provisório. Noutros tempos, provavelmente enrolaria para esperar o iPhone 7, no fim do ano. Mas, desta vez, não. Vou migrar para um aparelho Android.

Não é uma decisão fácil. Meu computador é um Macintosh, da Apple. Sempre foi, desde o primeiro modelo SE, comprado em 1989.

Isso não quer dizer que eu viva há trinta anos num mundo Applecêntrico. Sempre tive máquinas Windows próximas e as opero sem qualquer dificuldade. Vou do sistema de acentuação no teclado de uma plataforma para a outra sem piscar. Já brinquei o suficiente com Linux. Arranho escrever algum código. Acho testar tecnologias, antes de ser trabalho, principalmente divertido. Assim, acompanhei o desenvolvimento do sistema Android também de perto e, durante algumas semanas, todos esses anos, deixei o iPhone em casa e saí com inúmeros aparelhos sendo lançados para testá-los.

Muito lentamente, algo mudou. Me vi, mais e mais, sentindo falta no iPhone de um recurso aqui, de um jeito de usar ali. Ao me flagrar com saudades dos aparelhos que testei recentemente, comecei a prestar atenção em meu próprio uso. E percebi que, nos últimos dois anos, fui fazendo escolhas que iam me afastando da Apple. Não à toa. A Apple está ficando para trás na briga tecnológica.

A partir do retorno de Steve Jobs, em 1997, a estratégia da Apple esteve centrada em seu ecossistema. O iPod, por exemplo, não era só um aparelho de som. Por trás havia um programa elegante, o iTunes, para organizar seus discos. Depois veio a loja, que permitia a compra de músicas. Aí a Apple TV e uma loja de filmes e séries. Então o iPad tornou também o vídeo portátil e trouxe jornais, revistas e livros. Para quem se organizou com essas ferramentas, migrar de plataforma era jogar tudo fora. Mas sistemas como Spotify, Netflix e GloboPlay feriram de morte o ecossistema. A Apple, ao tentar reinventar seu iTunes no ano passado, desorganizou as bibliotecas de milhares. O incentivo para continuar na plataforma se perdeu.

Enquanto isso, o Google veio criando seu próprio ecossistema. De longe a melhor ferramenta para gerenciar todas as dezenas de fotografias diárias que tiramos é o Google Fotos. Gmail é o único correio eletrônico que permite buscar mensagens de anos antes. O sistema de agendas atrelado ao e-mail é inteligente e organizado. Seus mapas são imbatíveis. Tudo aquilo que precisamos no celular, em suma, funciona melhor no Google.

Estes apps existem no iPhone. Mas o assistente digital da empresa, Google Now, que analisa seu uso e antecipa suas necessidades de informação — a hora de sair de casa de acordo com o trânsito, a passagem aérea, o Uber chegando, a lista de músicas da corrida, o aviso de que choverá — é precário no iOS.

A Apple está correndo atrás e começa a apresentar seu investimento em inteligência artificial. Quer provar que consegue ser tão eficiente quanto o Google. Mas quem usa ambos sabe o quanto está atrasada. Nos últimos anos, investiu em imagem. Tornou-se uma marca que produz belas máquinas e que disfarça o fato de estarem defasadas com preço e publicidade que as torna símbolos de status.

Um Mac continua sendo o melhor, mais estável, mais bonito e mais fácil de usar computador do mercado. O iPhone, não. Não sei ainda qual será meu próximo celular. Mas será Android.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha