Conheça a Oppo, marca de smartphones que cresce mais rápido no mundo

Companhia chinesa cresceu 137% no segundo trimestre de 2016, segundo a IDC, ficando atrás apenas da Samsung, Apple e Huawei.


A fabricante de smartphones que cresce mais rapidamente no mundo - de longe - é uma empresa chinesa pouco conhecida chamada Oppo. A companhia cresceu 137% no segundo trimestre de 2016, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a IDC, ficando atrás apenas da Samsung, Apple e Huawei, nesta ordem.

Para isso, a Oppo vendeu 22,6 milhões de smartphones no segundo trimestre, o que lhe valeu uma fatia de 6,6% do mercado, um número significativo, mas ainda bem atrás dos 77 milhões de aparelhos vendidos pela Samsung e dos 40,4 milhões da Apple.

Com esse ritmo fantástico de crescimento, a Oppo deve continuar pressionando as líderes Apple e Samsung. Isso porque os aparelhos da empresa chinesa são atraentes ao reunirem recursos de ponta com um preço menor.

A Oppo não vende diretamente nos EUA, mas o seu novo F1 Plus, um smartphone Android 5.1 com uma tela de 5,5 polegadas, pode ser comprado on-line com preços a partir de 434 dólares - o F1 Plus é o equivalente ao R9, lançado em março na China.

“Não há dúvidas de que a Apple está de olho na Oppo e em outras fabricantes asiáticas, mas elas operam com uma média de preço muito mais baixa do que o iPhone”, destaca o analista da IDC, Ryan Reith.

“A Oppo recebeu muita atenção pelo mundo por crescer rápido enquanto o mercado de smartphones no geral está desacelerando”, completa.

A Apple criou o iPhone SE, com tela menor, em parte para concorrer com os smartphones de baixo custo da Oppo e outros nomes como Huawei e Vivo, a quinta maior fabricante do mundo com quase 5% do mercado no segundo trimestre.

A IDC calcula que o iPhone SE respondeu por 22% das vendas gerais de iPhones no segundo trimestre. “Esse é um bom pedaço das vendas da Apple”, destaca Reith.

No primeiro trimestre, segundo a IDC, o preço médio dos iPhones foi de 700 dólares em comparação com 230 dólares da Oppo. Já no trimestre seguinte, de acordo com a Apple, o preço médio do iPhone foi de 595 dólares, 10% a menos do que um ano antes.

Reith destaca ainda que os valores médios divulgados pela Apple sempre são menores do que os calculados pela IDC porque a empresa de pesquisas pega os preços finais pagos pelos consumidores, enquanto que a Apple informa o seu custo para os varejistas, incluindo operadoras.

A Oppo tem se beneficiado recentemente com vendas no sudeste da Ásia e na Índia, assim como da desaceleração na China, apoiada por uma estratégia agressiva de publicidade e marketing, segundo a iDC.

Para isso, a Oppo pagou para ter famosos daquela região para ajudar a construir a sua marca. O F1 Plus - e o equivalente R9 - são os modelos top de linha vendidos, e o marketing pesado da companhia nos aparelhos é um indicativo das ambições da empresa no mercado de alto padrão.

“A Oppo é um nome estabelecido na China, e à medida que esse mercado ficou mais devagar recentemente, a única saída é continuar construindo sua marca no sudeste da Ásia e na Índia”, explica o analista. Pensando nisso, a Oppo abriu lojas físicas em Singapura e Indonésia, onde não registra números altos de vendas, mas espera aumentar o conhecimento sobre a marca.

A Oppo não deve abrir lojas físicas nos EUA nem fazer um marketing mais direto naquele país. No entanto, a fabricante chinesa deverá conseguir um forte crescimento no Oriente Médio assim como em sua base de mercado já existente.

Com sede em Dongguan, na China, a Oppo faz parte de uma holding chamada BBK, que fica em Chang’an, também na China.

Vale destacar que a BBK também é uma investidora principal na startup de smartphones OnePlus, que possui três smartphones vendidos em muitos países, incluindo EUA.

Mesmo com a OnePlus e a Oppo possuindo uma ligação por meio da BBK, Reith destaca que a holding intencionalmente mantém as duas empresas como entidades separadas.

O IDC não contabiliza as vendas da OnePlus nos seus números da Oppo.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa