Brasileira Quantum lança smartphone Fly para brigar com tops de linha

Smartphone, com Android 6.0, tela de 5,2 polegadas full HD e design premium, é o primeiro no Brasil a usar o processador Mediatek de dez núcleos



Na virada do seu primeiro ano de atividade, a curitibana Quantum, do grupo Positivo, confirma que veio para brigar com grandes marcas internacionais e que pretende fazer isso com tecnologia e preço competitivo. A empresa lançou nesta quarta-feira, 31/08, seu terceiro smartphone, o Quantum Fly, primeiro smartphone no Brasil a usar o processador Helio X20 de dez núcleos da Mediatek. Com tela de 5,2 polegadas full HD, 32 GB e câmera traseira de 16 MP, o smartphone custa R$ 1.299 (boleto à vista).

O Fly posiciona a Quantum para brigar no segmento high-end, espaço ocupado hoje por marcas premium como Apple (iPhone 6), Samsung (Galaxy S6), Motorola (Moto X Force) e LG (G5 SE), custando em média 50% menos que esses concorrentes mesmo no seu preço regular, que é de R$ 1.499 (em 10x no cartão). E sem ficar devendo em capacidade de processamento e design.

Além do lançamento do Quantum Fly, a empresa também anunciou dois novos acessórios que já estão disponíveis para venda: o headphone Bluetooth Quantum LIV, com bloqueio de ruído externo, e a caixa de som portátil Quantum BOOM, também Bluetooth. Os dispositivos custam, respectivamente, R$ 499 e R$ 399, e são vendidos no site da empresa.

Design premium

"Queríamos lançar um equipamento que o consumidor tirasse do bolso para mostrar a um amigo e que ele ficasse chocado", disse Vinícius Grein, Head de Produto da Quantum, durante a coletiva com a mídia na noite da quarta-feira.

Com 3GB de memória RAM e 32 GB de armazenamento, o Fly oferece conectividade 4G, 3G e GSM e é Dual-SIM. Nesse item, a empresa optou por um diferencial: a bandeja de apoio dos SIM cards aceita um nano SIM no slot 1 e um micro SIM no slot 2. A explicação é que o slot 1 pode ser usado para acomodar, ao invés de um SIM card, um cartão de memória microSD de até 128 GB, deixando o Slot 2 para o cartão de voz e dados.

O Quantum Fly vem equipado com Android 6.0 (nativo) e, diferente de seus antecessores, vem completo com acelerômetro, sensor de proximidade, sensor de luminosidade, giroscópio, magnetômetro e bússola eletrônica. Garantia de ótimo desempenho se, por acaso, você se dedica ao esporte do momento: caça ao Pokémon.

Em design, o Fly é premium. Seu gabinete de alumínio fosco ganhou três opções de cores, com nomes criativos como Cherry Blossom (rosa); Aurora Blue (azul) e Stone Gray (cinza). Na tampa traseira o Fly tem outra novidade: o leitor de impressão digital. Parecia estranho, mas fez todo sentido quando, ao tirar o smartphone do bolso ou da bolsa, seu dedo indicador se encaixa perfeitamente no leitor e libera o uso do aparelho.

Desempenho

A tela de 5,2 polegadas tem vidro Gorilla Glass 3, com acabamento arredondado nas bordas e é Full HD (resolução de 1080 x 1920 pixels). A câmera frontal de 8 MP e ângulo de visão de 80o, com flash, permite tirar selfies sem cortar os amigos do enquadramento. O conjunto pesa apenas 140 gramas, e tem 7,5 mm de espessura, fino e elegante. Encaixa muito bem na mão e não pesa.

A bateria de 3.000mAh é de alta capacidade e ganha recursos para esticar seu tempo de vida entre carregamentos: os recursos de economia de energia do Android 6.0 e a arquitetura do MediaTek Helio X20, chamada Tri-Cluster, que segundo a empresa tem consumo em média 30% menor que os outros processadores equivalentes do mercado.

O Quantum FLY é vendido na loja on-line www.meuquantum.com.br e pode ser experimentado ao vivo nos quiosques que a empresa criou em shoppings de todo o país. Sobre a ida para as lojas de varejo, o head of Business da Quantum, Thiago Miashiro, diz que não está descartada, mas o início das vendas do Fly, como os anteriores, será pelo "modelo tradicional da empresa que é 100% digital".
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa