Pular para o conteúdo principal

POR QUE UM SMARTPHONE EXPLODE?

As últimas semanas foram muito quentes com as numerosas explosões do Note 7, Mas, como pode um smartphone explodir?, será que todos os dispositivos correm este risco? Como vocês já sabem, a bateria é a parte mais perigosa de um smartphone, mas aqui eu te explico todos os detalhes do que pode acontecer e todas as precauções que devemos tomar.

Como é possível a bateria de um smartphone explodir?

As baterias dos dispositivos atuais tem componente inflamáveis. São baterias de lítio, tanto Li-ion como Li-Po. Todas as baterias tem um cátodo e um ânodo (positivo e negativo), uma substância que é reduzida e cede electrons e outra substância que é oxidada e recolhe os electrons. É nesse processo que o smartphones se alimenta de energia.

Em todas as baterias o cátodo e o ânodo estão separados por uma membrana. Se, por um acaso, eles entrarem em contato direto um com o outro, haverá uma reação química, e no caso das baterias de lítio esta reação é muito rápida. Não se trata de uma explosão forte, mas sim de uma combustão rápida. Por sorte a bateria não tem combustível suficiente para explodir violentamente, mas ainda assim causará damos á até meio metro à sua volta.


Cada bateria tem três capas (cátodo, membrana e ânodo) envoltas várias vezes em si mesmas de maneira que o cátodo e o ânodo nunca se toquem. O problema começa quando a membrana que separa ambos se deteriora, ou pior, vem com defeito de fábrica como é o caso do Note 7.

Se a membrana que separa o cátodo e o ânodo da bateria se deteriora, os dois entrarão em contato e a bateria explodirá.

Todas as baterias de lítio tem um circuito de controle de temperatura. Se a bateria esquenta acima de um certo nível este circuito interrompe o carregamento. As temperaturas altas prejudicam a membrana e no momento em que esta se debilita uma combustão pode ocorrer.

Qualquer smartphone corre o risco de explodir?

Apesar de parecerem muito delicados, o real perigo dos smartphones vem de dentro. Contudo, no geral, o número de dispositivos que entram em combustão não chega a 100, para os mais de 1.400 milhões vendidos em um ano (estudo das vendas de 2015). Sendo assim, a probabilidade de que um smartphone pegue fogo é quase a mesma que você leve um raio., ou seja, baixíssima.

Mas, estamos correndo perigo? Não. Contudo, é possível que aconteça. Normalmente os controles de qualidade se certificam que as baterias são seguras para o uso. Se uma fabricante detecta que uma parcela das baterias distribuídas em seus produtos tem algum defeito, retiraria os dispositivos de circulação imediatamente, como foi o caso da Samsung, que mencionamos acima.

Una batería hinchada es jugar con fuego literalmente.

Ainda assim devemos sempre estar atentos à nossas baterias e cuidar para que não ultrapassem 60 graus. Caso a bateria pareça inchada é necessário trocá-la imediatamente. E, obviamente, o que nunca, jamais, se deve fazer é furar uma bateria, como demonstrado no vídeo acima.

Em casos como o do Note 7, onde a fabricante reconhece o erro na bateria e faz um recall de todos os dispositivos, é necessário deixar de usar o dispositivo imediatamente, não voltar a carregar e seguir o protocolo sugerido pela fabricante.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Os brasileiros precisam estar cada vez mais atentos com a segurança digital dos seus computadores e celulares. Um relatório da Norton by Symantec revela que o país é o terceiro com mais dispositivos infectados por hackers através de bots.
O país também se destacou como sendo o mais afetado da América Latina, com 37% dos equipamentos infectados. As cidades de São Paulo (36,3%), Rio de Janeiro (20,74%) e Curitiba (6,29%) concentram a maior parte das infecções no país. Além disso, a capital paulista é a segunda com o maior número de dispositivos infectados, ficando atrás somente da Cidade do México.

Veja as dez cidades brasileiras e da América Latina que mais sofrem ataques hackers:

Apenas em 2016, foram identificados mais de 6,7 milhões de dispositivos que foram adicionados à rede global de botnets – os bots são dispositivos conectados à internet infectados com malware que permitem que hackers assumam remotamente o controle de muitos dispositivos ao mesmo tempo –, sendo que mais de 689…

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

(Foto: Reprodução)
Como recuperar fotos apagadas do Instagram


Caso você tenha apagado uma foto bacana do Instagram e queira recuperá-la, existem duas possibilidades de fazer isso, embora nenhuma delas garanta que sua imagem será de fato recuperada.

Abaixo explicamos de duas maneiras como encontrar uma foto que você já postou no Instagram. Uma delas depende do Facebook, enquanto a outra aposta na câmera do seu smartphone para resgatar imagens antigas.

Pelo Facebook

Caso você tenha vinculado sua conta do Instagram ao Facebook e costume postar as fotos nas duas redes simultaneamente, é bem provável que a foto removida do Instagram também esteja no seu Facebook.

Para encontrá-la, entre no seu perfil na rede social de Zuckerberg e procure pelos álbuns de fotos. Um deles chama "Instagram Photos" e conta com todas as imagens enviadas ao Facebook por conta do Instagram. Lá dentro, é só procurar a foto que você quer no meio delas.

Nas fotos do seu smartphone

Caso você mantenha ativada a opçã…

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha

(Foto: Reprodução/Mashable)
GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha

A GoPro anunciou uma nova geração de sua tradicional câmera de ação. A Hero 6 Black chega para suceder a Hero 5 revelada no ano passado e traz uma série de novas capacidades para a câmera em termos de captura de imagem e conectividade.

Em termos de imagem, os usuários vão poder aproveitar a nova tecnologia para registrar vídeos em resolução 4K a uma taxa de 60 quadros por segundos. O modelo anterior só conseguia registrar 30 quadros por segundo nessa resolução. Além disso, quem preferir registrar vídeo em HD poderá aproveitar uma taxa de até 240 quadros por segundo, enquanto o antecessor só chegava a 120.

Já sobre conectividade, a chegada do suporte a redes Wi-Fi de 5 GHz será bem-vindo para quem já fez a transição para um roteador mais recente, com padrão 802.11ac. Isso pode permitir maiores taxas de transferência, o que é sempre uma boa notícia.

Outras mudanças incluem a melhoria na estabilização de ima…