Projeto de Lei permitiria transferir R$ 105 bi em patrimônio público a telecoms


Projeto de Lei permitiria transferir R$ 105 bi em patrimônio público a telecoms

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3453/2015, que permitiria à Anatel alterar a modalidade de licenciamento de serviços de telecomunicação de "concessão" para "autorização". Essa alteração, no entanto, poderia representar a transferência de um total de R$ 105 bilhões em patrimônio público a empresas de telecomunicações.

O objetivo do Projeto de Lei, de autoria do deputado Daniel Vilela (PMDB/GO) seria o de ampliar a cobertura e a qualidade dos serviços de telecomunicações no Brasil. Segundo o projeto (pdf), o fato de que atualmente esses serviços funcionam na modalidade de "concessão" inibe investimentos na área.

Isso porque, nessa modalidade, os bens públicos vinculados à concessão (como a infraestrutura de rede) devem ser devolvidos à União no final do prazo do contrato - que acontecerá em 2025. Isso para que eles possam ser repassados à próxima empresa que ganahr a concessão. Assim, o deputado argumenta que, como esses bens serão devolvidos ao Estado em 2025, as empresas não se sentem motivadas a investir no serviço.

Mudança

Para contornar essa situação, o Projeto de Lei permitiria à Anatel mudar a modalidade de licenciamento desses serviços de "concessão" para "autorização". A principal diferença é que numa autorização os bens públicos não precisam ser devolvidos à União - eles passam a pertencer à empresa quando o contrato acaba.

Dessa forma, boa parte da infraestrutura de fibra óptica do Brasil, além de outros patrimônios, seria transferida às empresas de telecomunicações. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Espírito Santo (Sinttel-ES), o Tribunal de Contas da União avalia que esses bens públicos totalizam R$ 105 bilhões em valor.

Não se trata da primeira vez que uma medidad desse tipo aparece como sugestão para melhorar o oferta de serviços de telecomunicação no Brasil. Em novembro de 2015, essa mudança já era uma das propostas do governo para "universalizar a internet". Essa proposta ganhou força em junho de 2016.

Ineficiência

Também argumentou-se, nas outras situações em que essa proposta apareceu, que uma mudança desse tipo desobrigaria as empresas cumprir metas de qualidade e responder ao governo sobre suas prioridades de investimento. Com isso, as empresas teriam maior liberdade para agir de maneira mercadológica, o que poderia atrair mais investimentos.

Mas de acordo com a ABRINT (Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações), não há garantia de que essas medidas ajudariam a resolver os principais problemas da internet no Brasil. Segundo Erich Rodrigues, o presidente da Associação, o principal problema da internet brasileira é sua concentração nas mãos de três grandes grupos.

 Rodrigues comentou que 5% das cidades brasileiras concentram 77% dos acessos de banda larga, e cerca de 80% não são grandes o suficientes para gerar interesse das grandes empresas. Por esse motivo, desvincular essas empresas de responsabilidade para com o governo não parece ser uma medida eficiente.

Rodrigues acredita que provedores regionais poderiam atender com qualidade a esses 80% de municípios. No entanto, eles ainda enfrentam desafios em acessar linhas de crédito, e competem de maneira desigual com empresas maiores pela ocupação de postes.

Assim, há motivos para considerar que programas que facilitassem o acesso dessas empresas a linhas de crédito, ou leis que tornassem mais justa a disputa pelos postes, poderiam ser mais eficientes que uma transferência maciça de recursos públicos às telecoms.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha