Apple podem deixar de ser fabricados no Brasil

(Foto: reprodução)
Produtos da Apple podem deixa

A chinesa Foxconn deve encerrar a fabricação de produtos da Apple no Brasil até o fim de 2017, de acordo com informações da IstoÉ Dinheiro. A empresa, que possui fábricas em Manaus (AM), Santa Rita do Sapucaí (MG) e Jundiaí (SP), teria começado a demitir funcionários de suas linhas de montagem do iPad e iPhone em abril, e pretenderia fechar as fábricas que realizam esse serviço até o fim do ano. A Apple, porém, não confirma a informação.

O motivo da saída, segundo a revista, seria a falta de rentabilidade do investimento. Além de ser mais caro fabricar os produtos da Apple por aqui do que na China, a empresa da maçã também vem perdendo espaço no mercado brasileiro. Em 2016, por exemplo, o setor de tablets caiu 32%, o segundo ano seguido de queda. Quanto ao iPhone, a empresa viu sua participação no mercado brasileiro de smartphones cair pela metade em um ano entre março de 2016 e de 2017.
Veja também:Apple compra empresa especializada em rastrear movimento dos olhos Foxconn manda recado a Donald Trump sobre produção de iPhones nos EUAFoxconn pode começar a produzir seus próprios smartphonesFoxconn substitui 60 mil funcionários por robôs

Fora isso, há outros fatores envolvidos no preço da produção nacional. Por exemplo, a Lei da Informática, que poderia oferecer redução de até 95% do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) dependendo da região, está sendo contestada na Organização Mundial do Comércio (OMC) e pode acabar, o que encareceria a produção nacional.

Segundo a IstoÉ Dinheiro, a pressão do presidente Donald Trump para que a Apple fabricasse iPhones nos EUA teria levado a Foxconn a reservar um vultoso investimento para o país, o que também teria afetado seus planos no Brasil. Por tratar-se de um dos principais mercados da Apple, a Foxconn estaria estudando investir cerca de US$ 10 bilhões nos Estados Unidos para garantir a viabilidade de seus produtos lá.

Histórico

Em 2011, a Foxconn se comprometeu a investir US$ 12 bilhões no Brasil até 2016, gerando mais de 100 mil empregos. Segundo o Gizmodo, esse investimento estava vinculado a uma série de exigências, como ajuda do governo para encontrar sócios brasileiros e incentivos fiscais à produção de tablets e smartphones.

Mesmo assim, segundo a IstoÉ Dinheiro, o número de pessoas empregadas pela empresa chinesa por aqui nunca passou de 10 mil, e era de cerca de 4.000 nas fábricas de Jundiaí. Quanto ao valor investido, a Foxconn não divulgou. No entanto, a revista acredita que ele não tenha chegado nem perto dos US$ 12 bilhões prometidos inicialmente.



Por outro lado, a operação da Foxconn nunca foi exatamente tranquila. Na Ásia, desde 2012 a empresa vem lidando com acusações de péssimas condições de trabalho, trabalho infantil e até mesmo mortes de funcionários. No Brasil, não era diferente: a empresa chegou a enfrentar uma greve por aqui em 2014. Mesmo com o encerramento da fabricação de produtos da Apple, a empresa ainda deve ter uma operação menor no Brasil para produtos de outras empresas.

Preços ainda maiores

O efeito dessa possível saída da Foxconn do Brasil seria o encarecimento dos produtos da Apple por aqui. O motivo para isso é que o governo brasileiro quer que as empresas invistam no país para gerar empregos, em vez de simplesmente vender seus produtos aqui, e por isso "encarece" os produtos quando elas não trazem sua fabricação para cá. É provavelmente isso que acontecerá com os dispositivos da Apple caso a Foxconn deixe de produzi-los por aqui.

Veja, por exemplo, o caso do PlayStation 4: quando ele foi anunciado no Brasil, o console de US$ 400 chegou aqui por R$ 4.000, porque era fabricado fora e importado (um destino que o PS4 Pro pode acabar seguindo). O Xbox One, por sua vez, foi produzido no Brasil desde que começou a ser vendido por aqui, e por isso chegou ao mercado pelo preço bem mais razoável de R$ 2.200.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa