Intel lança memória que faz HDs ficarem tão rápidos quanto SSDs


(Foto: divulgação/Intel)
Intel lança memória que faz HDs ficarem tão rápidos quanto SSDs
Alguns dias depois de lançar SSDs com a tecnologia Optane para servidores, a Intel anunciou os primeiros drives voltados para o consumidor final. A promessa é que os dispositivos sejam capazes de acelerar radicalmente um computador que já tenha equipado um HD ou SSD convencional.

O fato é que, neste instante, com a tecnologia nova como é, ter um drive Optane funcionando como dispositivo de armazenamento principal do computador é proibitivo para a maior parte dos consumidores. Isso explica o motivo de a Intel só ter lançado duas versões de pouco armazenamento: uma de 16 GB por US$ 44 e outra de 32 GB por US$ 77. O início das vendas acontecerá em 24 de abril.

A ideia da Intel é que o Optane, por enquanto, seja usado como cache de um HD ou SSD de maior capacidade, fazendo um meio-de-campo entre o armazenamento e o processador, agilizando os processos do computador. A empresa promete desempenho 28% mais rápido do sistema como um todo, tempo de inicialização do PC duas vezes menor, cinco vezes mais velocidade para abrir o Chrome e jogos são abertos até 67% mais rápido.

Mas como funciona? Antes de tudo, é necessário voltar ao beabá da computação. O HD ou SSD funcionam como armazenamento, guardando todos os arquivos, mas com velocidades de leitura baixas. Para compensar a lentidão, dados mais importantes são guardados na memória RAM, que é extremamente veloz, e pode fornecer as informações ao processador o mais rápido possível, agilizando a tarefa. O problema é a memória RAM é volátil e todas as informações desaparecem quando o PC é desligado. Ou seja: ela não pode guardar informações de longo prazo sobre os programas que você mais costuma usar no seu computador e quais dados você acessa com mais frequência para agilizar o processo. A memória também nunca agilizará o tempo de inicialização do PC justamente por isso.

O Optane da Intel promete ser tão rápido quanto a memória DRAM, mas mantendo a estabilidade de dispositivos de armazenamento como o seu HD mecânico ou SSDs com a tecnologia NAND.

Quando equipado em um computador, a memória Optane não tem como objetivo substituir nem o disco nem a RAM (pelo menos não por enquanto). Ele deve funcionar puxando informações do dispositivo de armazenamento e guardando os dados acessados mais regularmente, como a RAM, para despejar mais rapidamente no processador. A diferença é que ele vai guardar as informações quando um programa for fechado ou o computador desligado. Tudo isso deve permitir que os dados sejam disponibilizados mais rapidamente quando estiverem alocados no Optane. E, como as informações ficam facilmente acessíveis e estáveis, o dispositivo também deve acelerar o processo de inicialização do PC.

Esse é um primeiro passo apenas. A ideia é que o Optane deixe de ser apenas um “acessório” para ser um substituto efetivo do seu HD ou do seu SSD. Isso pode demorar um pouco, pois é uma tecnologia nova e extremamente cara. Com o passar do tempo, o custo por gigabyte deve cair, mas por enquanto a opção de usá-lo como cache é a mais viável. Para exemplificar o alto custo, o modelo de 375 GB voltado para servidores está custando mais de US$ 1.500.

Por enquanto, a tecnologia é compatível apenas com computadores com processadores Intel da 7ª geração (Kaby Lake) e com alguns modelos de placas-mãe. Os drives Optane usam o slot M.2, que também suporta os SSDs mais rápidos da atualidade, deixando para trás o gargalo da conexão SATA para abraçar a interface PCIe, muito mais rápida.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha