iPhone 5 aposta em design matador

Apple conseguiu manter o aparelho compacto e entregar mais desempenho

3.339 reais

prós Compacto; leve; configuração equilibrada e ecossistema maduro;
contras Sem microSD, HDMI nativo e NFC; compatibilidade limitada para vídeos e recursos do sistema deixados de fora para o mercado brasileiro
conclusão Com um bom design, o iPhone conseguiu se manter atraente e muito prático. O sistema está rápido e o aparelho tem muito a oferecer para a maioria dos usuários;

ficha técnica

  • 4G (LTE)
  • iOS 6
  • A6 1,3 GHz dual core
  • 64 GB
  • Tela de 4"
  • Câmeras de 8 MP e 1,2 MP
  • 112 g
  • 7h55min de bateria

Há cerca de cinco anos era apresentado ao mundo o primeiro iPhone. O aparelho chegou a 250 milhões de unidades vendidas e gerou mais de 150 bilhões de dólares em receitas para a Apple, segundo a Strategic Analytics. Desde a estreia, a Apple manteve a tela de 3,5 polegadas, que variou somente na resolução com a chegada da Retina Display. Para o iPhone 5, a fabricante decidiu alterar a proporção do aparelho para 16:9 com uma tela de 4 polegadas e 640 por 1.136 pixels.

Antes de avaliar o aparelho e suas novidades, é preciso esclarecer que ele chegará ao país sem três de seus recursos principais: LTE no padrão brasileiro, orientação para o aplicativo de GPS e funcionalidades da Siri.





Mesmo sem lançamento oficial, o iPhone 5 já começa a dar as caras no Brasil pelas mãos de quem comprou o novo queridinho da Apple no exterior. Por operar em uma frequência de LTE diferente da que será implementada aqui, os aparelhos vendidos no exterior não serão compatíveis. Isso não impede seu uso nas redes 3G (HSDPA) e 3,5G (HSPA+). Infelizmente, a situação para os brasileiros que aguardam o produto homologado pela Anatel não será diferente. Segundo a certificação no Sistema de Gestão e Certificação e Homologação da Anatel, o aparelho não opera em nenhum dos padrões brasileiros (2,5 GHz e 2,69 GHz). Mesmo que o LTE ainda esteja em testes no país, a Motorola já colocou um primeiro aparelho no mercado, o Razr HD, e a Samsung está prestes a fazer o mesmo com o Galaxy S III.

Desde o seu nascimento com o iPhone 4S, a Siri aprendeu a falar muitas línguas, entre elas: francês, alemão, japonês, espanhol, italiano, coreano, mandarim e cantonês. Parece que o português, o sexto idioma mais falado do mundo é um tanto quanto complicado para os servidores da Siri. Afinal, "tudo junto" se escreve separado e "separado" se escreve tudo junto. O fato é: a Apple nunca ofereceu nenhuma justificativa sobre os motivos que levam a empresa a deixar o português de lado. Ao que parece, essa situação não vai mudar tão cedo. Mesmo assim, com o iOS 6, a assistente ficou ainda mais esperta. Além de ler e-mails, fazer ligações, criar eventos na agenda e até pregar umas peças, a Siri pode agora (ao menos nos EUA) comprar ingressos para o cinema pelo Passbook, dar os resultados de uma partida esportiva, fazer uma reserva em restaurante pelo OpenTable e te recomendar o melhor prato com base no Yelp. Ela também pode atualizar seu Facebook e Twitter, graças a uma integração ainda maior do iOS 6 com as redes sociais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Driver leadership 0091 - Receptor de TV Digital.zip

Vendas de smartwatches crescem quase 50% graças à Apple e Samsung

Anatel- lei sobre telemarketing