5G está chegando

5G vai mudar sua vida

A Mobile World Congress é palco de apresentações de smartphones de última geração, planos futuros de grandes empresas de telecomunicações e novidades em tecnologias que estão onipresentes na nossa rotina. Entretanto, o tema que mais insistia em aparecer em Barcelona era o 5G: uma única olhada para o lado era suficiente para encontrar algum estande com o termo 5G piscando na minha cara.

E isso é estranho se você pensar que o 4G ainda engatinha em cobertura em boa parte do mundo, o 5G nem sequer tem padrão estabelecido e as primeiras redes móveis comerciais de quinta geração só devem aparecer em 2020. Só que todas as grandes empresas de tecnologia estão de olho no 5G — não apenas Nokia, Qualcomm ou Telefônica, que têm óbvio interesse no mercado de telecomunicações, mas também companhias como a Intel. Por quê?



O interesse em torno do 5G por todas as empresas de tecnologia tem um motivo: ele será importante não para termos downloads mais rápidos (sim, há redes em testes chegando a 20 Gb/s, mas quem precisa disso no celular?), mas para dar conta de um futuro em que trilhões de dispositivos estarão permanentemente conectados à rede, entre drones, carros autônomos, lâmpadas, sua cafeteira e qualquer outra coisa.

Quando digo "qualquer outra coisa", é qualquer coisa mesmo: existe uma possibilidade de que, em alguns anos, sua casa tenha sensores inteligentes que detectam automaticamente erros de construção, acúmulo de mofo, vazamento de água e problemas elétricos, para que você não precise ficar se preocupando com isso. Como esses sensores vão se comunicar? Provavelmente usando redes 5G.





Por isso, a Intel fechou parcerias com fabricantes e operadoras para desenvolver o 5G e produziu chips e modens voltados para a internet das coisas: o Atom x3-M7272 fornece firewall e inspeção de pacotes (!) para carros que andam sozinho, o XMM 7115 conecta dispositivos NB-IoT (um padrão que oferece melhor cobertura de rede interna e suporta um número gigante de dispositivos conectados) e o XMM 7120M é um modem voltado para aplicações máquina a máquina, com foco em monitoramento de segurança, rastreamento de bens e automação industrial.

Mas não dá para botar tudo isso no que temos hoje? Não, porque nossas redes não estão preparadas (e nem foram pensadas) para isso. O 2G foi projetado para voz, o 3G para dados e o 4G para aplicações de grande fluxo de dados, como streaming de música e vídeo. O 5G precisa ser mais eficiente para dar conta não necessariamente de uma enorme quantidade de dados, mas de um enorme número de dispositivos conectados.

A vice-presidente corporativa da Intel, Aicha Evans, ressalta a questão da eficiência: "O 5G deixará a internet das coisas muito mais eficiente e eficaz se pensarmos em um espectro de eficiência. Cada aparelho e rede criados com base na internet das coisas utilizará apenas o que for necessário e quando aquilo for necessário, sempre na medida exata, em vez de simplesmente consumir o que estiver disponível".



Por sua vez, Asha Keddy, gerente de padrões móveis de tecnologia avançada da Intel, afirma que o 5G será a primeira rede projetada para ser escalável, versátil e eficiente em termos de consumo energético. E as metas são ambiciosas: o objetivo é ter no máximo 1 ms de latência nas redes 5G (isso é bem mais rápido que a conexão fixa que você tem em casa) e dobrar a eficiência em relação ao 4G, porque seus sensores certamente não ficarão bravos, irritados e estressados igual a você quando a rede da operadora estiver congestionada, mas vão parar de funcionar.

A internet passou pela era dos computadores e das pessoas, mas agora será "utilizada" pelos objetos. Eles foram pensados para entender o nosso comportamento, se comunicar entre si através da rede e assim facilitar o nosso cotidiano, automatizando tarefas e algumas tomadas de decisão. Quer entender mais sobre a internet das coisas? Nós batemos um papo sobre o assunto no Tecnocast 009. Dê o play!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Driver leadership 0091 - Receptor de TV Digital.zip

Vendas de smartwatches crescem quase 50% graças à Apple e Samsung

Anatel- lei sobre telemarketing