domingo, março 19, 2017

Apple perdeu mais da metade dos consumidores no Brasil em um ano

Tim Cook
(Foto: Reprodução)
Apple perdeu mais da metade dos consumidores no Brasil em um ano


O ano de 2016 não foi excelente para o iPhone. Apesar de a Apple continuar faturando quantias gigantescas e lucrando mais que qualquer outra fabricante de celular, o ano foi marcado pela primeira queda em vendas da história do smartphone. Uma parte disso, provavelmente, pode ser atribuída ao Brasil.

De acordo com a consultoria Counterpoint, a empresa viu sua participação no mercado nacional cair bruscamente. O iPhone, que em 2015 correspondia a 8,3% dos celulares vendidos, passou a representar apenas 3,8%, totalizando uma queda superior a 50%.





A queda brusca tem um culpado claro, na visão da Counterpoint: a crise nacional. Como a população tem menos dinheiro para gastar, os celulares mais caros como o da Apple perderam mercado. Ao mesmo tempo, cresceram as companhias que oferecem celulares mais baratos.

Neste sentido, aparecem como vencedoras a Samsung, que tem feito grande sucesso com a linha Galaxy J e viu sua participação já grande subir de 40% para 46,7%, e a surpreendente Alcatel, que subiu de 3,6% para 5,5%. Enquanto isso, a Motorola se manteve estável e a LG passou por queda.

quinta-feira, março 16, 2017

A história da Nokia, a empresa que mudou o mundo dos celulares


Você provavelmente conhece — e adora — a Nokia por causa dos celulares indestrutíveis com o "jogo da cobrinha" ou por ser a marca por trás de quase toda a família Windows Phone. Mas a empresa finlandesa tem uma histórica bem mais rica e antiga do que muita gente imagina.

A marca começou praticamente sem relação com o que a consagrou, teve o auge no início da era dos celulares, fez parte de planos da Microsoft que não deram tão certo assim e agora aposta em um retorno triunfal mais voltado para as raízes. No meio de tudo isso, quase foi à falência em mais de um momento, mas conseguiu superar as adversidades e sobreviver.

É uma história cheia de sucessos, quedas, reviravoltas e curiosidades que todo fã de tecnologia precisa conhecer.
Uma fábrica de... Papel?

Você está acostumado a ouvir falar da Nokia como uma empresa de eletrônicos, mas ela começou desenvolvendo uma atividade completamente diferente. A história da Nokia começou oficialmente em 1865 — sim, "mil e oitocentos"! —, quando o engenheiro Fredrik Idestam resolveu iniciar uma fábrica de papel no sudoeste da Finlândia. A companhia era responsável por procedimentos como transformar lascas de madeira em tábuas e, posteriormente, em folhas.

Um tempo depois, Idestam decidiu inaugurar uma segunda unidade no mesmo país, perto do rio Nokianvirta e da cidade de Nokia. A região serviu de inspiração para batizar a companhia, que não parou de crescer. O engenheiro logo se juntou ao colega empresário Leo Mechelin para transformar o pequeno empreendimento em uma grande companhia da área, inclusive recebendo a participação de acionistas.

Com a aposentadoria de Idestam, em 1896, Mechelin colocou em prática ideias que o fundador não aprovava. A Nokia começou aos poucos a adentrar no mercado de fornecimento de energia elétrica e pegar gosto pelo mercado. Porém, uma reviravolta quase enterrou esse sonho: a companhia ficou próxima da falência por conta da Primeira Guerra Mundial. A salvação veio por meio uma aquisição da fábrica de produtos de borracha Finnish Rubber Works, que utilizava os serviços de geradores da Nokia.

Ildestan e Mechelin, respectivamente: os primeiros "pais" da Nokia

Em 1922, a Finnish Rubber Works comprou outra empresa local, a Finnish Cable Works. Essa era uma fabricante especializada em cabos e produtos eletrônicos que seria a grande base dos futuros empreendimentos da Nokia. Foi neste momento que entrou em cena o terceiro grande homem por trás dos primórdios da marca: Eduard Polón. Ele foi o fundador da Finnish Rubber Works e assumiu como "gestor" conjunto dela, da Cable Works e das fábricas originais. A Nokia só virou uma gigante mesmo em 1967, com a fusão dessas três áreas.
Essa tal tecnologia pode dar certo

Curioso para saber como a Nokia chegou nos celulares? Já estamos chegando lá, mas o primeiro dispositivo eletrônico lançado pela Nokia ainda não foi de telefonia. Em 1962, ela passou a fabricar um analisador de pulso para ser usado em usinas nucleares. Depois, vieram capacitores, uma central telefônica e equipamentos militares de comunicação e transmissão — veja alguns desses produtos jurássicos na galeria abaixo.








A história da Nokia, a empresa que mudou o mundo dos celulares


Foi só na segunda metade da década de 1990 que a Nokia deixou a Finlândia e a Europa para ganhar o mundo com um aparelho cheio de potencial. Mas nem por isso o setor é menos importante: a área de produção de itens não exatamente destinados ao consumidor e a preocupação também com soluções de infraestrutura permanecem na Nokia até hoje.
A era de ouro dos celulares

Em 1984, a Nokia comprou uma fabricante finlandesa chamada Salora Oy e transformou a parceria na "Nokia-Mobira Oy". E foi sob essa marca que nasceram alguns dos pioneiros em telefones que podiam ser transportados por aí, como o Mobira Talkman, o Mobira Cityman 900 e o Mobira Senator — este último um telefone para ser usado dentro de carros, tornando-se um símbolo de status entre executivos ricaços e empresários. O líder soviético Mikhail Gorbachev aumentou ainda mais a popularidade do Cityman quando foi fotografado utilizando um desses modelos.

O Mobira Cityman que ficou famoso por causa de Mikhail Gorbachev

Vendo o potencial do eletrônico, a Nokia continuou ligada à produção não só de hardware, mas também das tecnologias de transmissão. Ela foi uma das marcas mais atuantes no desenvolvimento da Global System for Mobile Communications (GSM) desde a segunda geração, inclusive sendo a responsável pela primeira chamada comercial nesse formato.

Ela foi uma das marcas mais atuantes no desenvolvimento da Global System for Mobile Communications (GSM) desde a segunda geração

O primeiro celular GSM da empresa (e o primeiro produzido comercialmente em massa da categoria) foi o Nokia 1001, que já adotava o famoso formato "tijolão". Esse foi o início do lançamento das famílias de celulares da fabricante, que utilizou inicialmente o formato numérico nas linhas de 2000 a 9000, passando ainda pelas letras "C", "E", "N" e "X".
Guardados na memória

Conheça ou relembre alguns dos aparelhos lançados pela Nokia a partir da década de 1990 e antes da aquisição da Microsoft, quando a finlandesa se tornou líder do mercado e permaneceu no topo do pódio por mais de uma década.
Nokia 8110 (1996), o celular de "Matrix"

Nokia 9000 Communicator (1996), o "tudo em um"

Nokia 6110 (1998), o primeiro com "Snake"

Nokia 3310 (2000), o indestrutível

Nokia 6650 (2002), o primeiro com 3G

Nokia N-Gage (2002), o portátil que não deu certo

Nokia 1100 (2003), o "barateza" mais vendido do mundo

Nokia N90 (2005), o com a câmera lateral

Symbian: ascensão e queda

E não foi só na fabricação de celulares que a empresa se destacou nesse período. Em 1998, a Nokia lançou o sistema operacional Symbian para assistentes pessoais — aquelas agendas eletrônicas que eram moda na época. Logo, ele passou também a integrar os celulares e a ser licenciado para rodar em modelos de outras marcas.


Durante vários anos, antes que Android e iOS dominassem o mercado, o Symbian reinou solitário em aparelhos de Samsung, Sony Ericsson, Motorola e da própria Nokia. A interface de usuário com maior facilidade de navegação e vários recursos gráficos (hoje bem ultrapassados, mas superavançados e dinâmicos na época) era o principal atrativo do sistema. Porém, uma série de bugs, falhas de segurança e alta fragmentação do mercado por conta das várias versões diferentes existentes levaram a Nokia a perder espaço e a cessar atualizações de software no serviço em 2014.
A era Microsoft

No começo de 2001, a Nokia já mostrava sinais de que talvez não conseguiria acompanhar as mudanças do mercado que ela mesma ajudou a construir. A crise envolveu um recall de baterias que causou um enorme prejuízo na moral e nas finanças da marca (em 2007), a popularização do Android (a partir de 2008) e a demissão de 1,7 mil funcionários (só em 2009) que representavam a companhia ao redor do mundo.

A companhia era 'um homem parado em cima de uma plataforma em chamas'

Para apagar o incêndio, quem assumiu como CEO foi Stephen Elop — o primeiro estrangeiro a ocupar o cargo. Antes um executivo da Microsoft, ele ficou famoso por conta de um discurso apocalíptico em que citou que a companhia era "um homem parado em cima de uma plataforma em chamas".

Em setembro de 2013, quando parecia que a empresa estava novamente destinada a sumir, outro capítulo na história maluca da Nokia começava a ser escrito. Para ingressar com força no mercado de smartphones e tentar bater de frente contra Android e iOS, a gigante Microsoft comprou toda a divisão mobile da parceira finlandesa pelo equivalente a R$ 17 bilhões.

Steve Ballmer (na época ainda CEO da Microsoft) e Stephen Elop comemoram a parceria

A companhia iniciada por Bill Gates passou a ser dona de aparelhos, serviços e patentes mobile da companhia. Foi uma bomba, é verdade, mas muita gente já esperava a negociação — afinal, a linha Lumia de modelos com Windows Phone já existia sob um acordo de licenciamento firmado dois anos antes. O que mudou é que a Nokia agora foi "absorvida", passando a operar como uma marca dentro de outra: as linhas "X", "Asha" e "Lumia", assim como a divisão de feature phones, passava a ser toda da Microsoft. Até o CEO da Nokia na época, Stephen Elop, assumiu um cargo administrativo na Microsoft.

O "casamento" durou 18 meses, várias linhas de celulares e alguns tablets. O Brasil foi um dos maiores públicos consumidores da marca, muito possivelmente ainda pegando carona na fama da Nokia nos anos anteriores — o país foi o segundo maior mercado consumidor de Windows Phoneem todo o mundo em 2015, e o iOS ainda estava atrás dele em meados de 2016.

Os modelos Lumia 925, 920, 820, 720, 620 e 520

Mas o fim da parceria parecia inevitável: a relação estava desgastada por baixo desempenho no mercado, o nome da finlandesa começou a ser removido dos aparelhos para deixar somente "Lumia", e a própria Microsoft abandonou a produção de novos modelos Windows Phone (agora Windows 10 Mobile).
E o que aconteceu com a Nokia "original"?

O que sobrou da empresa após a aquisição da Microsoft ficou impedida de comercializar dispositivos móveis sob o nome Nokia por dois anos, mas manteve alguns negócios. A empresa de redes e infraestrutura Nokia Networks continuou a operar e a fazer grandes parcerias, enquanto a Nokia Technologies nunca parou de desenvolver produtos.

A câmera OZO

A câmera OZO (para Realidade Virtual) e o tablet com Android Nokia N1 são só algumas das criações. Ela também manteve a patente do "toque de celular da Nokia", que você muito provavelmente já ouviu por aí em algum lugar e que está presente no novo 3310. Anotou tudo? Esses elementos serão muito importantes no capítulo a seguir.
O retorno triunfal

Em 18 de maio de 2016, a Microsoft vendeu a divisão de feature phones da Nokia para a HIF Mobile Ltd, uma subsidiária da fabricante taiwanesa Foxconn, pelo equivalente a R$ 1 bilhão. Até aí, nenhuma grande expectativa estava formada, certo?

Só que uma das parceiras da HIF na aquisição é a também desconhecida HMD Global, uma empresa finlandesa formada por ex-funcionários da equipe de pesquisa e desenvolvimento da Nokia Technologies.

E eles agora são também os novos donos da licença para lançar aparelhos sob a marca "Nokia", com uma cadeia de produção gigantesca à disposição. Em outras palavras, a boa e velha Nokia voltou para casa.

A boa e velha Nokia voltou para casa

Os primeiros frutos da parceria entre Foxconn e HMD já começaram. O primeiro passo é o lançamento de uma nova linha de smartphones, agora com Android. O aparelho de estreia, o Nokia 6, foi um sucesso de vendas na China e deve repetir os números ao redor do mundo. Junto com ele, chegaram o Nokia 3 e o Nokia 5, apresentados durante a MWC 2017.


A feira, que contou com cobertura completa do TecMundo, também serviu de espaço para o aguardado retorno do Nokia 3310, um feature phone que deve balançar o coração de novos e velhos fãs da marca. Ao que tudo indica, ela está mesmo pronta — e os próximos capítulos têm tudo para terminar em um final feliz.

Sim, novos Nokia vêm para o Brasil


Empresa que assumiu direitos da marca promete aparelhos ainda este ano. Sistema Android sem modificações é um dos trunfos


Em algum momento deste ano, os consumidores brasileiros voltarão a encontrar aparelhos Nokia nas lojas. O reencontro — que já está acontecendo em grande escala na China — ainda não tem data certa, mas foi garantido por Arto Nummela, CEO da hmd., a empresa que detém atualmente os direitos da marca Nokia para celulares. O executivo, que trabalhou na antiga Nokia durante 20 anos e foi seu vice-presidente para América Latina entre 2009 e 2013, já esteve incontáveis vezes no Brasil, conhece bem o nosso mercado e está ansioso para trazer os novos Nokia para cá: afinal, a empresa foi campeã absoluta de vendas no país, e a sua marca ainda tem um enorme apelo emocional por aqui. Uma equipe local já está sendo montada.

Consegui conversar com Arto Nummela praticamente ao final do MWC, o grande evento de tecnologia móvel realizado semana passada em Barcelona, na Espanha. Ele foi uma das pessoas mais requisitadas por jornalistas durante o evento. Todo mundo queria saber quais são os planos da Nokia, como estão indo as primeiras vendas, que cartas ela traz escondidas na manga. O lounge que a hmd. montou na área de trás do gigantesco estande da Nokia era pequeno para tanto movimento.

— Nosso principal trunfo, além da qualidade do hardware, é o Android puro — disse ele. — Fazemos questão de oferecer a interface mais limpa possível, e a melhor experiência Android. Teremos updates de segurança mensais e faremos o upgrade do sistema automaticamente: assim que a Google lançar uma nova versão, ela chegará aos nossos aparelhos.

Arto Nummela acredita que a Nokia pode ajudar a Google a ir além dos 86% que detém no mercado mundial de sistemas móveis. Grandes fabricantes como Samsung, LG ou Asus insistem em modificar o Android, acrescentando as suas próprias interfaces e aplicativos — mas há um número ponderável de usuários que odeiam isso. Celebrando o compromisso de não alterar a interface, a Nokia distribuiu no MWC um pin do robozinho Android pelado, segurando um antigo Nokia na mão, e espetado numa cartela impressa com uma espécie de carta de intenções.

"Esse camaradinha é um símbolo de pureza, para representar a experiência do Android puro nos Nokia", diz a cartela. "Livre de tralhas, lixo e apps que você não usa. Puro prazer."

Os pins foram, claro, disputadíssimos: uma das tradições do MWC é a distribuição de pins do robozinho em diversas situações e trajes, e o desafio de muitos participantes do congresso é completar a coleção anual.

Outros trunfos da nova Nokia são as parcerias com a FIH, subsidiária da Foxconn que comprou a divisão de feature phones da Microsoft e que pode garantir a qualidade da manufatura dos aparelhos e a sua fabricação em larga escala, e com a Qualcomm, que faz os chipsets dos aparelhos, e com quem a hmd. mantém a mesma estreita aliança que mantém com a Google.

Mas o maior trunfo de todos é, obviamente, o nome Nokia. Arto Nummela e os outros executivos da hmd., em sua maioria finlandeses e ex-funcionários da Nokia, parecem saber disso. Os aparelhos Android apresentados no MWC são bonitos, eficientes e muito bem feitos. E, para que ninguém tenha dúvidas de que a nova Nokia é Nokia raiz, o velho 3110, que vendeu 126 milhões de unidades nos velhos tempos, foi apresentado em uma nova encarnação. Destinada a mercados onde 3G e 4G não passam de sonho, humilde e barata, mas com bateria de longa duração, jogo da cobrinha e Nokia tune.



© 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Apple contrata especialista em jailbreak para seu time de segurança

(Foto: Reprodução)
Apple contrata especialista em jailbreak para seu time de segurança

Um dos principais nomes da comunidade hacker dedicada a iOS foi sugado para dentro da Apple. Na última terça-feira, 14, Jonathan Zdziarski, mais conhecido como "NerveGas", anunciou ter aceitado uma proposta da companhia para se juntar à equipe que cuida de segurança e arquitetura de seus produtos.

Zdziarski, conforme explica o Ubergizmo, fazia parte do iPhoone Dev Team e do Chronic Dev Team, dois grandes coletivos de hackers especializados em jailbreak.

"Estou muito empolgado por estar trabalhando com um grupo de semelhantes tão entusiasmados em relação à proteção da segurança e da privacidade dos outros", escreveu o desenvolvedor, em seu blog. "Esta decisão marca a conclusão do que eu sinto que tem sido uma questão de consciência para mim ao longo do tempo."

Alguns Androids já saem da caixa infectados com vírus; veja a lista



Alguns celulares Android já estão saindo da caixa infectados com malware, de acordo com a CheckPoint. A empresa de segurança digital encontrou 38 aparelhos infectados em dois clientes diferentes e, o mais interessante do caso foi que, em ambas as situações, os vírus foram pré-instalados no aparelho em algum momento não identificado da cadeia de fornecimento.

Ou seja: segundo a empresa, alguém com más intenções instalou malwares em celulares em algum ponto entre o momento em que o celular é produzido na fábrica e o instante em que ele é comercializado na loja.


Em um post no blog oficial da CheckPoint, os malwares em questão não faziam parte da ROM oficial da fabricante. Em seis dos casos, o vírus foi instalado com privilégios de administrador, o que fazia com que o usuário não fosse capaz de remover a praga, forçando o reset do smartphone.


A publicação cita que as ameaças foram encontradas em celulares de duas empresas grandes não identificadas. Uma delas é uma "grande companhia de telecomunicações" e a outra era uma "empresa de tecnologia multinacional". A maior parte dos malwares continham adwares (que injetam propagandas indesejadas no celular) e ferramentas para roubo de dados, mas em um dos casos foi encontrado um ransomware, que poderia trancar o celular com criptografia e só liberá-lo novamente mediante pagamento.


Além do alerta, a empresa também forneceu uma lista de aparelhos que já chegaram ao cliente infectados. Que fique claro: não significa que todos os celulares destas marcas saem de fábrica com a segurança comprometida. A empresa nota que foram alguns aparelhos destes modelos que foram adulterados em seu caminho até o consumidor, e que isso não é padrão dos smartphones.


Veja a lista:


Galaxy Note 2
LG G4
Galaxy S7
Galaxy S4
Galaxy Note 4
Galaxy Note 5
Galaxy Note 8 (o tablet)
Xiaomi Mi 4i
Galaxy A5
ZTE x500
Galaxy Note 3
Galaxy Note Edge
Galaxy Tab S2
Galaxy Tab 2
Oppo N3
vivo X6 plus
Nexus 5
Nexus 5X
Asus Zenfone 2
LenovoS90
OppoR7 plus
Xiaomi Redmi
Lenovo A850

segunda-feira, março 06, 2017

Alcatel anuncia novo smartphone; confira as especificações


(Foto: Reprodução)
Alcatel anuncia novo smartphone; confira as especificações

A Alcatel apresentou nesta segunda-feira, 27, durante a MWC, o Alcatel A5 LED, seu novo smartphone. O destaque do dispositivo fica por contra de sua traseira de LED, que permite ao usuário visualizar suas notificações e ajustar, por exemplo, para que as luzes se acendam enquanto uma música é reproduzida.

Por dentro, o aparelho, que tem tela de 5,2 polegadas HD, tem processador octa-core, 32 GB de armazenamento interno e 2 GB de RAM, além de conexão 4G LTE. O dispositivo tem câmeras frontal e traseira de 5 megapixels e 13 megapixels, respectivamente, bateria de 2800 mAh.




O Alcatel A5 LED roda a versão 6.0 Marshmallow do Android. Confira as especificações completas:

DIMENSÕES
146 x 72.1 x 7.7mm
DISPLAY
5.2" HD IPS (720 x 1280 pixels), laminação completa
Tela capacitiva
5 pontos de toque com gesto
BANDAS
Nano SIM
2G: GSM Quadband 850/900/1800/1900
3G: UMTS 1/2/5/8, (42Mbps DL, 5.76Mbps UL)
4G LTE CAT4: 1/3/7/8/20/28A, (150Mbps DL, 50Mbps UL)
OS
AndroidTM 6.0 Marshmallow
CPU
Octa-core, 1.5GHz
CONECTIVIDADE
Wi-Fi 802.11 b/g/n, Wi-Fi direct, Wi-Fi hotspot,
Micro USB 2.0, GPS com A-GPS, Bluetooth 4.2
CÂMERAS
Câmera AF de 16MP, LED Dual-tone flash, HDR, EIS, Pano
Reprodução de vídeo: 1080P@30fps
Captura de vídeo: 1080P@30fps
Câmera frontal de 8MP, Flash frontal, ângulo de visão (84°)
Face Beauty, Face Show, Instant Collage
MEMÓRIA
Memória interna: 16GB ROM + 2GB RAM
Suporta MicroSD
BATERIA
2800mAh (Típica)
CHIPSET
MT6753
OUTROS
E-compass, Gyro, G-sensor, Sensor de proximidade, Sensor de luz, 
Wireless FM, HD Voice, Light show, Color Catcher, Private Mode, Wall Shuffle, Captura de tela

Tecnologia da Meizu carrega até 100% da bateria do celular em 20 minutos

A Super mCharge é uma nova tecnologia que promete carregar 100% da bateria do seu celular em apenas 20 minutos. O anúncio foi feito pela Meizu, fabricante de aparelhos Android que faz sucesso na China, durante a Mobile World Congress (MWC) 2017, feira internacional de smartphones que ocorre em Barcelona, na Espanha.

Batizado de Super mCharge, o carregador é cerca de 5,5 vezes mais rápido do que os tradicionais – concorrendo diretamente com o Quick Charge, da Qualcomm. A tecnologia chega para compensar a baixa autonomia dos celulares à venda no mercado.

Meizu desenvolve tecnologia que carrega bateria de smartphones em apenas 20 minutos (Foto: Divulgação/Meizu) 


Para demonstrar a eficácia do produto, a Meizu carregou um de seus celulares de 0% a 100% em apenas 18 minutos. A bateria do aparelho era de 3.000 mAh e metade da capacidade de carga havia sido atingida em apenas oito minutos. Dessa forma, a tecnologia empregada na solução da Meizu mostrou-se mais eficiente que a da rival Qualcomm, visto que o padrão Quick Charge leva mais ou menos o dobro do tempo para uma recarga completa.


Tecnologia da Meizu carrega até 100% da bateria do celular em 20 minutos (Foto: Divulgação/Meizu)

Carregadores ultrarrápidos são a solução que as empresas estão encontrando para driblar o limite de autonomia das baterias atuais, graças à dificuldade técnica em desenvolver uma bateria que dure mais. Apesar de promissora, a técnica ainda deve demorar um tempo até chegar aos consumidores, devido ao cuidado extra nesse campo após os casos de explosão do Samsung Galaxy Note 7.

A fabricante não divulgou a data de lançamento do carregador e nem revelou quais de seus smartphones suportarão a tecnologia Super mCharge

Operadora de celular dos Correios começa a funcionar na próxima segunda-feira

Operadora de celular dos Correios começa a funcionar na próxima segunda-feira

A operadora de telefonia móvel dos Correios, anunciada em janeiro, finalmente tem data para começar a funcionar. O serviço estreia na próxima segunda-feira, 6, começando por São Paulo.

Segundo os Correios, a primeira fase disponibilizará a oferta do serviço em 12 agências da capital paulista. Até o final de março, será possível adquirir a linha móvel dos Correios em 164 agências da Grande São Paulo.

Os preços dos planos só serão divulgados na segunda-feira. A ideia inicialmente é vender apenas planos pré-pagos, e tanto os chips quanto as recargas poderão ser compradas nas agências da empresa pelo Brasil.

Os Correios vão atuar como uma operadora móvel virtual (MVNO, na sigla em inglês), o que significa que não terão infraestrutura própria. A estatal fechou acordo com a empresa EUTV, também conhecida pelo nome fantasia Surf Telecom, para prestação do serviço. Curiosamente, a Surf também é uma MVNO, que usa a infraestrutura da TIM para operar nacionalmente.

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

BlackBerry anunciou oficialmente o resultado fiscal Q3



No ultimo dia 20 deste mês, BlackBerry anunciou oficialmente o resultado fiscal Q3 – 2017, demonstrando com dados contábeis, como esta a situação da empresa.

Então se você tem lido bobagens sobre a BlackBerry em sites que só divulgam "noticias" tendenciosas e negativas, é hora de saber a verdade

De acordo com os resultados contábeis, os destaques para o período Q3 – 2017 são:
"Receita total não-GAAP de US $ 301 milhões; Receita GAAP de US $ 289 milhões
Receita total de software e serviços da Companhia não-GAAP de US $ 172 milhões;"
"GAAP Empresa receita total de software e serviços de US $ 160 milhões
Margem bruta não-GAAP record de 70%; Record GAAP margem bruta de 67%".
"EBITDA Ajustado de US $ 37 milhões; Positivo pelo duodécimo trimestre consecutivo".
"Lucro não-GAAP por ação de US $ 0,02; GAAP EPS perda de ($ 0,22)".
"Assinou acordo com a Ford Motor Company para expandir o uso do BlackBerry QNX e software de segurança".
"Entrou em um contrato de licenciamento de software global de longo prazo com a TCL Communication para projetar, fabricar, vender e dar suporte a novos dispositivos móveis com a marca BlackBerry que executam o software e aplicativos seguros do BlackBerry para Android".
"Lançado o DTEK60, o mais recente dispositivo Android executando o software de segurança líder da indústria BlackBerry".
"Alcançou critérios comuns Certificação NIAP para BlackBerry 10.3.3, que é direcionado para usuários de governos e indústrias altamente regulamentadas".
"Anunciou planos para lançar um Centro Federal de Operações de Segurança Cibernética para apoiar FedRAMP e outras iniciativas governamentais de certificação de segurança; O centro será liderado pelo ex-CIO da Guarda Costeira dos EUA, o Contra-Almirante Bob Day Jr. (aposentado)".
"Após o fechamento do trimestre, o BlackBerry Secure lançou uma plataforma de mobilidade corporativa abrangente e totalmente integrada que permite às empresas aumentar a segurança, produtividade e colaboração, acelerar os principais processos de negócios e reduzir o custo total de propriedade".
"Após o fechamento do trimestre, anunciou planos de lançar o BlackBerry Innovation Center em Ottawa; O centro se concentrará no desenvolvimento de software seguro para carros conectados e condução autônoma".

(Obs: Negrito nosso).

——————————————-

Abaixo, o restante do anuncio:
"A receita não-GAAP para o terceiro trimestre do ano fiscal de 2017 foi de US $ 301 milhões, com receita GAAP de US $ 289 milhões. A divisão de receitas não-GAAP para o trimestre foi de aproximadamente 55% para o segmento de Software & Services, 22% para o segmento Service Access Fees (SAF) e 23% para o segmento Mobility Solutions."
"Aproximadamente 80% da receita do segmento de Software & Services no terceiro trimestre (excluindo licenciamento de IP e serviços profissionais) foi recorrente. O BlackBerry teve mais de 3.000 ordens de clientes corporativos no trimestre."
"O lucro operacional não-GAAP foi de US $ 12 milhões e o lucro não-GAAP por ação foi de US $ 0,02. A perda líquida GAAP para o trimestre foi de US $ 117 milhões, ou (US $ 0,22) por ação básica. Ajustes ao lucro líquido GAAP e lucro por ação estão resumidos em uma tabela abaixo."

———————————————–

Em seguida, a BlackBerry continuou apresentando seu resultado fiscal Q3 – 2017:

"O total de caixa, equivalentes de caixa, investimentos de curto e longo prazo foi de aproximadamente US $ 1,6 bilhão em 30 de novembro de 2016. Isso reflete o uso de caixa livre de US $ 154 milhões, que inclui US $ 150 milhões de caixa utilizado nas operações. A maior parte do caixa utilizado nas operações foi atribuída ao capital de giro e compromissos de compra de fornecedores relacionados à transição do negócio de hardware do dispositivo para um modelo de licenciamento de software. Excluindo US $ 605 milhões no valor nominal da dívida da empresa, o saldo de caixa líquido no final do trimestre foi de aproximadamente US $ 1 bilhão. As ordens de compra com fabricantes contratados totalizaram aproximadamente US $ 35 milhões no final do terceiro trimestre, em comparação com US $ 71 milhões no final do segundo trimestre e abaixo de US $ 298 milhões no trimestre do ano anterior."

"A BlackBerry é agora uma empresa de software e líder de mercado em segurança móvel", disse John Chen, presidente executivo e CEO da BlackBerry. "Conseguimos marcos significativos no terceiro trimestre, apresentando a maior margem bruta da história da empresa pelo segundo trimestre consecutivo e continuando a transformar nossa infraestrutura e operações para suportar um negócio de software empresarial, o que gerou rentabilidade operacional em todos os segmentos de negócios e globalmente positivo não -GAAP EPS. "

"À medida que o número de dispositivos conectados por dispositivos móveis continua a proliferar, esperamos uma demanda crescente em nossas áreas de força, incluindo segurança e software embutido", continuou Chen. "Os recentes acordos com a Ford e a TCL são pontos de prova positivos sobre nossa proposição de valor nessas áreas de crescimento emergentes. Temos uma série de oportunidades para continuar nosso impulso".

"Continuamos no caminho certo para obter um crescimento de 30% na receita total de software e serviços da empresa para todo o ano fiscal, estamos elevando nossa perspectiva de lucratividade para o ano fiscal de 2012. Esperamos atingir a lucratividade do EPS não-GAAP para todo o ano, Uma faixa anterior de breakeven a uma perda de cinco centavos.Este é o terceiro trimestre consecutivo que aumentou nossa perspectiva EPS, refletindo a tração que estamos alcançando em nosso turno para um modelo de negócios de software.Também antecipar breakeven non-GAAP EPS e aproximadamente breakeven Fluxo de caixa livre no quarto trimestre. "

(Obs: Negrito nosso).

——————————————-

Como vocês puderam ler, a BlackBerry esta concentrando todos os seus esforços para manter-se como a empresa líder em software focados em segurança e produtividade máxima.

Acordos como o assinado com a TCL Communication, mostram que a BlackBerry fará o mesmo que outras grandes empresas da área de dispositivos móveis já fazem (APPLE e Samsung) que é terceirizar a produção de smartphones e focar em software.

Mais uma vez a Ford se mostra em destaque nos acordos com a BlackBerry para a utilização do software para veículos QNX, de longe o mais seguro e completo da atualidade.

E mais uma vez os documentos contábeis não mentem, BlackBerry esta crescendo, principalmente em software e serviços, terceirizando a produção dos smartphones.

Creio que este é o caminho certo a ser seguido, principalmente considerando que agora a BlackBerry utiliza dois sistemas operacionais em seus smartphones, um focado para o mercado corporativo exigente, que precisa de máxima segurança e produtividade (BlackBerry OS 10) e outro focado no mercado que precisa de máxima segurança e grande número de aplicativos e jogos (BlackBerry Android).
E para os urubus de plantão que tanto divulgaram que a BlackBerry estava "falida"… Já podem começar a arrancar os cabelos da cabeça e gritar… Pois a BlackBerry se encontra hoje com US $1,6 Bilhões de dólares em caixa e investimentos de curto e longo prazo

Blackberry e Optiemus fecham parceria



Para quem não conhece, a Optiemus Infracom Ltd vendeu o primeiro telefone móvel na Índia em 1995, desempenhando um papel importante desde então para este mercado tão grande.

A história de sucesso e o profissionalismo da Optiemus, chamou atenção da BlackBerry que já era parceira na vendas de smartphones para a Índia, porém agora ampliou esta parceria com um contrato de licenciamento para uso da marca a longo prazo.



Com este contrato, a Optiemus Infracom Ltd é a segunda empresa licenciada a lançar dispositivos com a marca BlackBerry utilizando o software BlackBerry, lembrando que a primeira foi a TCL Communications.

O mercado consumidor na Índia representa uma oportunidade de aproximadamente 1,5 bilhão de clientes, os quais a BlackBerry, junto com a Optiemus pretendem fornecer smartphones verdadeiramente seguros.

Com este novo contrato, BlackBerry esta pronta para oferecer seu sistema seguro em todo o mundo.

99,6% dos smartphones vendidos são Android ou iOS; menos de 0,1% são BlackBerry



A Gartner divulgou os dados mais recentes da fatia de mercado dos smartphones, e as coisas não vão bem para os dispositivos com sistemas operacionais Windows ou BlackBerry. 99,6% de todos os dispositivos vendidos mundialmente no 4º trimestre de 2016 – outubro a dezembro – traziam sistema operacional Android ou iOS.

O domínio de Apple e Google do mercado acabou se tornando algo bastante comum, mas agora o duopólio está atingindo novos limites. Segundo a consultoria, apenas 1 milhão de smartphones com sistema Windows foram vendidos no mundo. Isso representa 0,3% do mercado. No mesmo período de 2015, esse número era de 4,3 milhões.

A situação é pior ainda pra BlackBerry, que teve apenas 207 mil dispositivos comercializados com seu sistema operacional. Isso dá menos do que 0,1% do total. Ou seja, na tabela acima, a empresa é descrita como 0,0% das vendas. Outros sistemas somaram 530 mil aparelhos, ou 0,1%.

Na parte de cima disso tudo, o Android segue na frente, com 352,6 milhões de dispositivos, representando 81,7% do mercado de novos aparelhos. Enquanto isso, 77 milhões, ou 17,9%, dos aparelhos comercializados traziam o iOS.

O mercado de smartphones segue crescente, de acordo com a Gartner. No 4º trimestre de 2016, foram vendidos 431,5 milhões de dispositivos no mundo inteiro. No mesmo período de 2015, foram vendidos 403,1 milhões. Ou seja, um aumento de 7%.

Outro dado notável é que a Samsung perdeu mercado pelo segundo trimestre consecutivo, com uma queda de 2,9% em relação ao ano anterior. Com isso, eles foram ultrapassados pela Apple, que vendeu cerca de 300 mil smartphones a mais no final de 2016.

segunda-feira, fevereiro 13, 2017

Idol 4S Windows Mobile

Especificações Idol 4S com Windows 10 Mobile
Especificações Idol 4S com Windows 10 Mobile
  • Tela de 5,5 polegadas
  • Resolução Full HD (1920 x 1080 pixels) para a exibição de conteúdo
  • 4 GB de RAM
  • 64 GB de memória para o armazenamento interno
  • Entrada para cartão microSD de até 32 GB
  • Chipset Qualcomm Snapdragon 820
  • Processador de quatro núcleos Kryo rodando em até 2,0 GHz
  • Adreno 530 como placa gráfica
  • Câmera principal de 21 megapixels (sensor Sony IMX230, gravação em 4K e PDAF)
  • Câmera frontal de 12 ou 8 megapixels (sensor Omnivision OV8850 e lentes grande-angulares)
  • Leitor de impressões digitais integrado no painel posterior
  • Construção inteiramente em alumínio
  • Porta USB-Type C
  • Dimensões de 153,67 x 75,18 x 6,8 mm
  • Peso de 151 gramas
  • Sistema operacional Windows 10 Mobile, compatível com Continuum

quinta-feira, dezembro 22, 2016

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar


Nos últimos dias, estão surgindo relatos de problemas com o Google Pixel e Pixel XL, cada vez com mais frequência. Há um defeito conhecido nos alto-falantes do dispositivo, e uma falha na câmera já relatados aqui no TudoCelular.

O Pixel possui leitor biométrico na parte traseira do dispositivo. Por conta disso, muitos usuários pediram que algum recurso fosse disponibilizado para facilitar a consulta à presença de notificações ou o relógio quando a tela está apagada. Há algumas semanas, uma atualização incluiu o toque duplo para despertar no dispositivo.

Entretanto, agora os usuários estão relatando problemas com a função. Ao que parece, quando o smartphone está em modo Doze, o toque duplo não funciona corretamente. O mesmo quando a tela acabou de apagar e o bloqueio ainda não foi ativado.


Nesses casos, para acender a tela do aparelho, é necessário apertar o botão liga/desliga ou ativar a leitura da digital, que era a reclamação inicial dos usuários antes de o Pixel receber o recurso de toque duplo para despertar.

O Google já está ciente do problema e pediu aos usuários que enviem comentários por meio do menu de configurações, na aba Sobre o telefone. Não foi especificado se os desenvolvedores já estão trabalhando em uma correção, mas é possível que sim.


Solução paliativa


O site 9To5Google notou que o problema nos dispositivos Pixel aparece geralmente quando a tela ainda não está bloqueada. O padrão de boa parte dos smartphones Android é que o bloqueio só ocorra cinco segundos após o apagamento do display.

Isso dá tempo suficiente para reacender e continuar usando normalmente caso você esteja em meio a uma leitura, por exemplo.

O usuário pode reconfigurar para que o bloqueio seja imediato ao apagar a tela. Para isto, basta ir até o menu Configurações > Bloqueio de Tela > Bloquear automaticamente.

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

O site PatentlyMobile descobriu um registro de patente feito pela Microsoft relativo a um leitor de impressão digital muito parecido com o que é usado no Google Pixel, o sucessor do Nexus lançado há dois meses. O sensor patenteado é capaz de compreender movimentos feitos com o dedo na tela para realizar tarefas pré-programadas.

Segundo uma análise da patente, com esse leitor é possível realizar três gestos na interação com a tela: tocar, tocar e segurar e tocar e arrastar. Esse tipo de tecnologia também estaria sendo desenvolvido pela Samsung e pela Apple para seus próximos dispositivos móveis top de linha.

De volta ao jogo

A patente, registrada em junho de 2015, explica: "Em uma ou mais implementações, um dispositivo computacional inclui um sensor biométrico, como um leitor de impressão digital, que é configurado para detectar entradas gestuais. Quando uma entrada gestual é recebida de um usuário, o sensor detecta características biométricas e determina um gesto com base na entrada". Caso o usuário não seja autenticado antes do movimento, o smartphone reage de outra maneira.

A existência dessa patente pode não significar nada, mas nos leva a crer que ele seja usado no Surface Phone

A existência dessa patente pode não significar nada, mas nos leva a crer que ele seja usado no Surface Phone, que, segundo boatos, pode ser apresentado na MWC 2017, no fim de fevereiro. Caso isso esteja correto, dá para ver que a Microsoft não está medindo esforços para voltar com tudo para o competitivo mercado de smartphones. Será que ela vai conseguir? Deixe sua opinião aqui nos comentários!


FONTE(S)

terça-feira, dezembro 20, 2016

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa

Fabricante chinesa TCL vai produzir smartphones Android com marca da BlackBerry.


A BlackBerry anunciou recentemente de forma oficial a sua saída do negócio de produzir smartphones. Agora a empresa canadense revelou que licenciou sua marca para a fabricante chinesa TCL produzir aparelhos Android com o logo da BlackBerry.


Com isso, a TCL poderá fabricar e vender os próximos celulares da BlackBerry em todo o mundo, com exceção dos seguintes países: Índia, Indonésia, Bangladesh, Sri Lanka e Nepal, onde a BlackBerry fechou acordos locais de licenciamento.


Vale destacar que a mudança não será nada demais para a TCL, que já foi responsável pelos dois smartphones mais recentes da BlackBerry, o DTEK50 e o DTEK60, ambos com sistema Android.


Com isso, a BlackBerry segue um caminho parecido com a Nokia, que licenciou recentemente sua marca para a empresa finlandesa HMD Global usar em novos telefones celulares.


Líderes do mercado mobile em um passado cada vez mais remoto, Nokia e BlackBerry não conseguiram acompanhar as mudanças do segmento, seja a importância do touch nos smartphones, caso da Nokia, ou em reconhecer que o próprio sistema não poderia competir com o Android, caso da BlackBerry.


Não por acaso, as companhias que licenciaram as marcas da Nokia e da BlackBerry, HMD e TCL, respectivamente, agora resolveram apostar suas fichas em aparelhos com Android, em vez do Windows Phone ou do BlackBerry OS.

Apple lança primeiro beta público do iOS 10.2.1 e macOS Sierra 10.12.3; veja como instalar

Ontem, a Apple lançou o primeiro beta para desenvolvedores do iOS 10.2.1 e macOS 10.12.3. Ainda não temos uma lista de novidades concreta, mas elas devem incluir diversas correções de bugs e aprimoramentos de usabilidade. A novidade de hoje é que a Maçã já liberou o beta para o público dos dois sistemas operacionais. 

Caso você tenha interesse em participar dos testes beta e ainda não está cadastrado no programa da Apple, trouxemos um guia para ajudá-lo com todas as etapas.


Download do iOS 10.2.1 beta público 1 no seu iPhone ou iPad



A Apple acaba de lançar o iOS 10.2.1 beta 1 público para os membros do Programa de Software Beta. Se você já tiver uma versão beta público do iOS 10 instalada, vá para Configurações> Geral> Atualizações de Software e faça o download. Se você está aguardando o iOS 10.2.1 para começar com os testes do sistema, siga os passos para a configuração.
Como fazer um backup do seu iPhone ou iPad

Antes de começar, certifique-se de fazer backup de seu iPhone ou iPad. Enquanto o processo beta é bastante direto, quando você faz qualquer mudança significativa para o seu dispositivo você corre alguns riscos de encontrar problemas. E com os seus dados pessoais, é sempre melhor prevenir do que remediar. 
Conecte o iPhone ou iPad em seu Mac ou PC com Windows.
Inicie o iTunes.
Clique no ícone do iPhone ou iPad na barra de menus quando aparecer.
Verifique se o backup está definido como This Computer (Este computador) Ative backup criptografado - vale a pena!
Clique em Fazer backup agora. (Clique em Criptografar backup e adicione uma senha - você quer segurança.)
Faça backup de aplicativos, se solicitado.



Pressione Comando, para abrir Preferências (ou vá para o iTunes na barra de menus e clique em Preferências).
Clique na aba de dispositivos.
Clique em Option e clique em Backup e escolha Archive.




O arquivamento impedirá que seu backup atual seja substituído por um backup do iOS 10 no futuro, caso você queira reverter por qualquer motivo.
Como registrar sua conta para o beta público do iOS 10.2.1 

Se você já participou dos betas públicos da Apple no passado, não precisa se registar novamente para o iOS 10.2.1; Basta iniciar a sessão com o mesmo Apple ID. Se você nunca aderiu aos testes públicos antes, comece inscrevendo-se com o ID.
Vá para beta.apple.com no iPhone ou iPad que você deseja inscrever para a versão beta.
Toque em Inscreva-se para começar.
Digite seu endereço de e-mail e senha do Apple ID.
Toque em Iniciar sessão.
Toque em Aceitar para concordar com os termos e condições.
Assim que estiver inscrito e conectado, é hora de iniciar o download.
Como inscrever seu iPhone ou iPad no beta público do iOS 10.2.1 

Ao contrário das atualizações regulares do iOS, onde você simplesmente toca e inicia o download, a Apple está usando perfis de configuração para validar dispositivos para o beta público. Veja como instalá-lo.

Observação: se você já esteve em uma versão beta anterior do iOS, talvez seja necessário remover o perfil anterior antes de instalar a versão do iOS 10. Pode fazê-lo em Definições> Geral> Perfil, selecionando o perfil de software beta do iOS e escolhendo Excluir Perfil.
Vá para beta.apple.com
Toque no separador iOS, se não estiver realçado.
Toque em transferir perfil.
Toque em Instalar no canto superior direito.
Digite seu código de acesso.
Toque em Instalar, desta vez para concordar com o contrato do beta. 
Toque em Instalar na parte inferior para confirmar. 
Toque em Reiniciar para reiniciar o dispositivo.

Assim que o seu iPhone ou iPad terminar de reiniciar, ele deve começar a baixar o iOS 10 automaticamente. Deste ponto em diante, o processo é o mesmo que qualquer outra atualização do iOS.
Como instalar o iOS 10.2.1 beta público 

Para instalar o iOS 10.2.1 beta, você precisará visitar a seção de Atualização de Software no seu iPhone ou iPad.
Inicie as configurações a partir da tela inicial, toque em geral e Atualização de Software.
Quando a atualização aparecer, toque em Download e Instalação.
Digite seu código de acesso.
Selecione Aceitar duas vezes. para confirmar.



Seu iPhone ou iPad será reinicializado para instalar o iOS 10.2.1. Haverá barras de progresso atravessando a tela. Relaxe e deixe tudo terminar.
Como começar com o iOS 10.2.1 beta público 

Uma vez que seu iPhone ou iPad reiniciar, ele estará executando o sistema. Há um pouco de configuração que você precisará passar, no entanto, pois tudo terá mudado o suficiente para que você precise realizar o login para concluir a atualização.


Toque em Continuar.
Digite sua senha do Apple ID. As configurações do iCloud serão atualizadas, então dê um minuto.
Toque em Iniciar.Uma vez feito isso, você estará na tela inicial e pronto para usar o sistema

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Nokia Lumia 520 consegue rodar Android 7.1 Nougat

Nokia Lumia 520 consegue rodar Android 7.1 Nougat
Smartphone com Windows Phone 8 funciona com a CyanogenMod 14.1, baseada na última versão do Android

Parece que encontramos mais um smartphone imortal: o Nokia Lumia 520. Lançado em 2013, ele fez bastante sucesso no mercado brasileiro, custando menos de 500 reais e entregando mais desempenho, tela e câmera que os Androids da mesma faixa de preço. O smartphone não recebeu atualização para o Windows 10 Mobile — mas é um dos 0,3% dos smartphones que já podem rodar Android 7.1 Nougat.


Estamos falando de um smartphone com processador dual-core Snapdragon S4 Plus de 1,0 GHz, 512 MB de RAM, 8 GB de armazenamento e uma bateria risível para os padrões atuais, de 1.430 mAh (mas que era suficiente na época do Windows Phone 8). Mesmo com um hardware tão limitado, um desenvolvedor conseguiu rodar a CyanogenMod 14.1, baseada na versão mais recente do Android, como apontado pelo OnMSFT:

O desempenho, obviamente, está longe de impressionar, mas é até decente para um processador tão simples. E ele traz todas as novidades do Nougat, incluindo o novo painel de configurações e o recurso de executar dois aplicativos ao mesmo tempo, dividindo a tela. Os aplicativos do Google, como a Play Store e o Chrome, não foram embutidos na ROM, mas normalmente é simples instalá-los.

Mas e se o hardware for um pouquinho melhor? O mesmo desenvolvedor repetiu o feito no Lumia 525, que é basicamente um Lumia 520 com 1 GB de RAM (e que não chegou a ser vendido no Brasil). Nele, o Android 7.1 Nougat roda de maneira fluida (!), com direito ao Pixel Launcher e todas as animações da interface, causando inveja num Moto G com sistema mal otimizado:

Acho que o HTC HD2 (lançado em 2009, que roda Windows Mobile 6.5, Windows Phone 8, Android 7.0 e até Ubuntu) ganhou um concorrente.

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa

Fabricante chinesa TCL vai produzir smartphones Android com marca da BlackBerry.


A BlackBerry anunciou recentemente de forma oficial a sua saída do negócio de produzir smartphones. Agora a empresa canadense revelou que licenciou sua marca para a fabricante chinesa TCL produzir aparelhos Android com o logo da BlackBerry.

Com isso, a TCL poderá fabricar e vender os próximos celulares da BlackBerry em todo o mundo, com exceção dos seguintes países: Índia, Indonésia, Bangladesh, Sri Lanka e Nepal, onde a BlackBerry fechou acordos locais de licenciamento.

Vale destacar que a mudança não será nada demais para a TCL, que já foi responsável pelos dois smartphones mais recentes da BlackBerry, o DTEK50 e o DTEK60, ambos com sistema Android.

Com isso, a BlackBerry segue um caminho parecido com a Nokia, que licenciou recentemente sua marca para a empresa finlandesa HMD Global usar em novos telefones celulares.

Líderes do mercado mobile em um passado cada vez mais remoto, Nokia e BlackBerry não conseguiram acompanhar as mudanças do segmento, seja a importância do touch nos smartphones, caso da Nokia, ou em reconhecer que o próprio sistema não poderia competir com o Android, caso da BlackBerry.

Não por acaso, as companhias que licenciaram as marcas da Nokia e da BlackBerry, HMD e TCL, respectivamente, agora resolveram apostar suas fichas em aparelhos com Android, em vez do Windows Phone ou do BlackBerry OS.

quinta-feira, dezembro 15, 2016

Apple libera versão atualizada do iOS 10.1.1

Apple libera versão atualizada do iOS 10.1.1, confundindo as cabeças de muita gente
Em um movimento que confundiu as cabeças de todos os donos de iGadgets num dia já deveras (deveras!) atordoante para o mundo, a Apple liberou hoje mais cedo uma nova versão do iOS 10.1.1. Sim, isso mesmo: o número de versão continua igual, mas a compilação é diferente (agora é a 14B150; a anterior era a 14B100).









As informações ainda são desencontradas no momento — aparentemente, esta atualização não traz nenhuma novidade além de correções de bugs e melhorias de performance, mas relata-se que usuários que já estavam no iOS 10.1.1 anteriormente não poderão (ou precisarão) fazer o update, apenas aqueles que estavam em versões anteriores do sistema. Por outro lado, a atualização inexplicavelmente apareceu no meu iPhone 5c, que estava rodando justamente o 10.1.1 “anterior”.

iPads

iPad Pro de 9,7 polegadas

iPad Pro de 12,9 polegadas

iPads Air 2, mini 4 e mini 3

iPads Air e mini 2

iPad de quarta geração

iPhones

iPhone 7

iPhone 7 Plus

iPhone SE

iPhones 6s e 6

iPhones 6s Plus e 6 Plus

iPhone 5s

iPhones 5c e 5

iPod touch

iPod touch de sexta geração

Para fazer a instalação, baixe a atualização referente ao seu dispositivo pelos links acima. Depois, conecte o aparelho ao Mac/PC, abra o iTunes, vá em “Resumo” e clique no botão “Buscar Atualização” enquanto segura a tecla Option. Na janela que se abrirá, navegue até o arquivo que foi baixado e o selecione.

Alcatel confirma chegada do Idol 4S em mais países



A Alcatel discretamente anunciou o Idol 4S, um smartphone com Windows 10 Mobile e Snapdragon 820, que logo chamou atenção do público. Este aparelho fez tanto sucesso que, mesmo sendo mais recente, conseguiu se tornar mais popular do que o HP Elite x3. Agora, rumores indicam que a empresa irá aproveitar o bom momento para disponibilizar o Idol 4S em mais países além dos Estados Unidos.

Atualmente o smartphone da Alcatel é exclusivo da operadora T-Mobile nos Estados Unidos, porém o perfil francês da empresa publicou um tweet onde revela planos de disponibilizar o Idol 4S também na Europa. Isso deve alegrar os fãs do Windows 10 Mobile, já que com isso terão um smartphone com configurações top de linha, além de também ser um belo concorrente ao Elite x3.



Especificações técnicas



Tela de 5,5 polegadas
Resolução Full HD (1920 x 1080 pixels) para a exibição de conteúdo
4 GB de RAM
64 GB de memória para o armazenamento interno
Entrada para cartão microSD de até 32 GB
Chipset Qualcomm Snapdragon 820
Processador de quatro núcleos Kryo rodando em até 2,0 GHz
Adreno 530 como placa gráfica
Câmera principal de 21 megapixels (sensor Sony IMX230, gravação em 4K e PDAF)
Câmera frontal de 12 ou 8 megapixels (sensor Omnivision OV8850 e lentes grande-angulares)
Leitor de impressões digitais integrado no painel posterior
Porta USB-Type C
Sistema operacional Windows 10 Mobile

Infelizmente, nada foi falado sobre a chegada do Idol 4S no Brasil. Como a empresa comercializa alguns aparelhos por aqui, é possível que este smartphone chegue em algum momento, porém não há qualquer previsão. De qualquer forma, pelo preço de US$ 469 (R$ 1,5 mil, em conversão direta) pode ser uma boa alternativa aos smartphones tops de linha com Android.

Xiaomi está prestes a lançar Mi Pad 3, aparelho com bateria de 8290 mAh e Windows 10 Home



A Xiaomi já alegou anteriormente que está, sim, muito interessada em continuar a produzir tablets. A grande novidade é o Mi Pad 3, um dispositivo com tela de 9,7 polegadas e nada menos que 8 GB de memória RAM. A estimativa é que o eletrônico já esteja disponibilizado no mercado asiático até o dia 30 de dezembro.

Embora o tablet tenha sido anunciado para rodar com Windows 10 Home, existe também a possibilidade de uma variante com Android. A bateria de 8290 mAh chama bem atenção, ainda mais quando a fabricante diz que isso é o suficiente para manter o aparelho ligado por 1560 horas.


Veja algumas especificações técnicas do aparelho:

Tela de 9,7 polegadas (2048 x 1536p)
Sistema operacional Windows 10 Home
Bateria com 8290 mAh
USB Type-C
Memória interna de 128 GB/ 256 GB
Memória RAM de 8 GB
Intel Core m3-7Y30
Intel HD Graphics


De acordo com o site Tech Tablets, a versão mais básica com 128 GB será vendida por algo em torno de US$ 340 (convertido para R$ 1090, sem considerar os impostos) e as unidades com 256 GB custarão US$ 390 (US$ 1250, também sem acrescentar impostos). Ainda não se sabe a disponibilidade do tablet e nem se ele será comercializado no Brasil.

Os portáteis da chinesa Xiaomi são considerados bem baratos em relação aos produtos vendidos pela concorrência nas mesmas especificações. O brasileiro Hugo Barra, que ocupa o cargo de vice-presidente global, já explicou que o modelo de negócios da companhia prioriza outros aparelhos mais elaborados, como assistentes domésticos, para gerar lucro à firma. A Xiaomi, inclusive, lançou um patinete inteligente nos últimos dias, o Smart Electric Scooter, com integração USB e outras tecnologias envolvidas.

Apple libera versão atualizada do iOS 10.1.1


Apple libera versão atualizada do iOS 10.1.1, confundindo as cabeças de muita gente


Em um movimento que confundiu as cabeças de todos os donos de iGadgets num dia já deveras (deveras!) atordoante para o mundo, a Apple liberou hoje mais cedo uma nova versão do iOS 10.1.1. Sim, isso mesmo: o número de versão continua igual, mas a compilação é diferente (agora é a 14B150; a anterior era a 14B100).



As informações ainda são desencontradas no momento — aparentemente, esta atualização não traz nenhuma novidade além de correções de bugs e melhorias de performance, mas relata-se que usuários que já estavam no iOS 10.1.1 anteriormente não poderão (ou precisarão) fazer o update, apenas aqueles que estavam em versões anteriores do sistema. Por outro lado, a atualização inexplicavelmente apareceu no meu iPhone 5c, que estava rodando justamente o 10.1.1 “anterior”.

Caso surjam novas informações relacionadas a esta atualização, incluiremos aqui no post. Como estão os iGadgets de vocês?

Atualização, por Eduardo Marques · 09/11/2016 às 23:44

Eis os links diretos para download da nova compilação, caso você ache realmente necessário atualizar o seu iGadget:
iPads
iPad Pro de 9,7 polegadas
iPad Pro de 12,9 polegadas
iPads Air 2, mini 4 e mini 3
iPads Air e mini 2
iPad de quarta geração
iPhones
iPhone 7
iPhone 7 Plus
iPhone SE
iPhones 6s e 6
iPhones 6s Plus e 6 Plus
iPhone 5s
iPhones 5c e 5
iPod touch
iPod touch de sexta geração

Para fazer a instalação, baixe a atualização referente ao seu dispositivo pelos links acima. Depois, conecte o aparelho ao Mac/PC, abra o iTunes, vá em “Resumo” e clique no botão “Buscar Atualização” enquanto segura a tecla Option. Na janela que se abrirá, navegue até o arquivo que foi baixado e o selecione.

Microsoft mostra o Windows 10 para arquitetura ARM

Microsoft mostra o Windows 10 para arquitetura ARM

A Microsoft mostrou nesta quinta-feira o Windows 10 para arquitetura ARM. Esta versão do sistema operacional apresentada durante a WinHEC 2016 na China rodará em dispositivos com processadores da Qualcomm.

De acordo com a Microsoft, esta versão do sistema operacional inclui a tecnologia de emulação x86 conhecida como "Cobalt". Esta tecnologia permitirá a execução de softwares tradicionais, como o Photoshop.

A Microsoft já ofereceu uma versão do Windows para a arquitetura ARM, o Windows RT. A grande limitação desta versão é que ela só rodava aplicativos obtidos via Windows Store ou os já pré-instalados. Esta limitação acabou afastando potenciais usuários.


Com o Windows 10 para arquitetura ARM, esta limitação será uma coisa do passado. Os usuários poderão rodar tanto softwares tradicionais como o já mencionado Photoshop e o Office, como jogos populares:




Microsoft mostra o Windows 10 para arquitetura ARMBaboo - Tecnologia e Ciência

Windows 10 rodando em um dispositivo com o processador Qualcomm Snapdragon 820. Este processador já é utilizado nos smartphones HP Elite x3 e Alcatel IDOL 4S

A demonstração feita hoje pela Microsoft mostra o Windows 10 para arquitetura ARM rodando em um dispositivo com o processador Qualcomm Snapdragon 820, que já é utilizado nos smartphones HP Elite x3 e Alcatel IDOL 4S.

Vídeo mostrando o Photoshop no Windows 10 para arquitetura ARM: