Blu Studio Energy é um smartphone com bateria de 5.000 mAh

A Blu, fabricante norte-americana de smartphones que já vende alguns modelos de baixo e médio custo no Brasil, anunciou durante a CES 2015 um novo aparelho com autonomia de sobra. O Blu Studio Energy é um Android intermediário que traz uma bateria com capacidade de nada menos que 5.000 mAh. Segundo a empresa, isso é suficiente para mantê-lo funcionando por até quatro dias longe da tomada.

blu-studio-energy

É verdade que o Studio Energy consegue tudo isso de autonomia por ter uma bateria gigante, não por alguma otimização ou tecnologia nova. Mas ele merece destaque por não ser um trambolho: mesmo com a bateria muito acima da média do mercado, o aparelho é relativamente fino, com 10,4 mm de espessura — nada muito diferente de um Lumia 930 (9,8 mm) ou Moto G (11 mm no ponto máximo).
O hardware acompanha o que temos nos smartphones intermediários de hoje: tela IPS LCD de 5 polegadas com resolução de 1280×720 pixels, processador quad-core MediaTek MT6582 de 1,3 GHz, 8 GB de armazenamento (com entrada para microSD de até 64 GB) e 1 GB de RAM. A câmera traseira tem sensor de 8 MP e flash LED, enquanto a frontal possui resolução de 2 MP.

blu-studio-energy

Se a bateria de 5.000 mAh for muita coisa, pelo menos ela tem outra utilidade: o Studio Energy suporta uma tecnologia de carregamento reverso, o que significa que o aparelho pode servir para recarregar a bateria de outros dispositivos — como um smartwatch ou pulseira inteligente, por exemplo.
O Blu Studio Energy começa a ser vendido no final de janeiro, nos Estados Unidos, por US$ 179 na Amazon e outras redes de varejo, mesmo preço cobrado pelo Moto G. O aparelho acessa redes 3G, suporta dois chips e aguenta até 52 horas de conversação e 45 dias de standby. Os detalhes do lançamento em outros países ainda não foram anunciados.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa