Project Alloy: headset de VR da Intel

Project Alloy: headset de VR da Intel funciona mesmo sem computador ou smartphone
Fabricante aposta na mistura da realidade virtual com a realidade aumentada
Depois de negar publicamente que estava desenvolvendo um headset de realidade virtual, a Intel apresentou nesta terça-feira (16) um… headset de realidade virtual. Batizado de Project Alloy, ele tem como destaque a independência: não é necessário conectar o gadget ao computador ou smartphone para que ele funcione.





Além de headset de realidade virtual, o Alloy é mais um produto de realidade “misturada”, que combina a VR com a realidade aumentada. Para fazer essa combinação, o Alloy tem uma câmera para mapear ambientes e detectar pessoas ou outras partes do corpo (como seus dedos). Veja o funcionamento abaixo:

Toda essa ideia é bem parecida com a da Microsoft ao lançar o HoloLens — e você já viuquantas aplicações teve. Na demonstração do produto, segundo o The Verge, o apresentador tinha uma nota de um dólar na mão, mas na visão do Alloy era um bloco de ouro. (Acho que ele estava no Brasil.)

Um aspecto interessante é que o headset vai funcionar com o Windows Holographic, que literalmente é uma plataforma holográfica da Microsoft para o seu sistema operacional. Essa plataforma traz capacidades de realidade misturada aos futuros computadores com processador Intel. Isso também significa que todos os headsets VR compatíveis poderão rodar aplicativos 3D (ou até 2D) do Windows 10.

No caso do Alloy, esse projeto funcionará por meio de APIs. Desenvolvedores interessados também poderão vasculhar no código do headset (sim, ele é open source). Com uma certa “portabilidade”, é assim que você pode sair andando na rua se vestir o Alloy:



Em um post no Medium, a Intel descreve vários cenários em que o Alloy seria útil até para o público comum. “Planeje sua visita virtual à Capela Sistina sem sair do escritório. Levante-se da sua cadeira se imergindo na obra fantástica de Michelangelo — olhando para cima para uma visão melhor — sem trombar na mesa de conferência à sua frente”, brincou Brian Krzanich, CEO da Intel.

Essa abordagem é interessante (mas não é nova) por “cortar a corda”, como a Intel promove, da realidade virtual. Além disso, misturando-se com a realidade aumentada, o Alloy elimina a possibilidade de algum louco sair por aí com um headset sem ver o que tem pela frente.

Fugindo de smartphones, a Intel também anunciou o Project Elucid em seu fórum de desenvolvedores. Basicamente, o Elucid é um módulo baseado no RealSense para ajudar qualquer desenvolvedor a construir um robô. Ele vem equipado com um processador, câmeras, sensores de movimento, bateria e outros recursos de comunicação.

Infelizmente, nenhum dos dois projetos tem data de lançamento ou previsão de disponibilidade.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colecionando problemas: Google Pixel tem falha na função toque duplo para despertar

Microsoft patenteia leitor de digital e gestos como o do Google Pixel

BlackBerry deixa de fabricar smartphones e licencia marca para chinesa