Pular para o conteúdo principal

A verdade por trás da produção do iPhone

(Foto: reprodução)
A verdade por trás da produção do iPhone


Não é novidade que as pessoas que trabalham na linha de montagem dos produtos da Apple vivem em condições precárias e análogas ao trabalho escravo. Mas o jornal Daily Mail teve acesso a um dos dormitórios da Pegatron, parceira da gigante de tecnologia, em Xangai, e descobriu que a situação é pior do que o imaginado.

O prédio de quatro andares foi esvaziado no início do ano após queda na produção e abrigava 3 mil pessoas, que trabalhavam seis dias por semana em turnos diários de 12 horas para receber em torno de R$ 1.200 por mês e abastecer o mundo com o iPhone 6S. A maioria dos trabalhadores são migrantes das províncias mais pobres da China que vivem durante todo o ano nos dormitórios da fábrica.

De acordo com um segurança que continuou responsável pela vigia do prédio. Em épocas de pico das produções da Apple, o local chegava a receber 6 mil trabalhadores. “As encomendas foram ficando cada vez menores nos últimos dois anos, por isso a empresa decidiu fechar todo o complexo”, afirma.

De fato, a Apple teve uma queda nos smartphones. Em abril, a empresa anunciou que vendeu 16% iPhones a menos do que no mesmo período de 2015 e lucrou 18% a menos. Vale lembrar que os iPhones são responsáveis por quase dois terços da receita total da companhia.

Dentro do alojamento
A publicação afirma que cada andar tinha 50 quartos, onde dormiam mais de 12 funcionários; além disso, os quartos não tinham banheiro próprio, sendo que cada andar tinha um vestiário coletivo com uma média de 20 chuveiros. A Pegatron insiste que apenas oito trabalhadores viviam em cada quarto, mas, ao mesmo tempo, admite que as condições nos dormitórios são inaceitáveis e violam o código de conduta da Apple.


Um membro da China Labor Watch, uma organização que investiga más condições de emprego, se infiltrou na Pegatron e morou por dez dias no complexo. Segundo o investigador, na época, metade dos banheiros estavam interditados.

“Todos os dias muitos trabalhadores abandonavam os seus empregos. Descobri que a maioria dos trabalhadores não fez isso por causa dos baixos salários, mas por causa das duras condições de trabalho e as más condições de vida nos dormitórios”, afirma.

Em depoimento, um dos trabalhadores afirmou que um dos maiores problemas era a criminalidade dentro do complexo. A equipe de segurança não conseguia controlar todos os moradores e era comum as pessoas terem seus salários roubados; quando isso acontecia, elas tinham que revirar as latas de lixo para conseguir sobreviver.

Se já não bastasse as condições de moradia, os trabalhadores ainda eram obrigados a pagar R$ 80 por mês de aluguel para poder morar nos dormitórios da companhia.

Em defesa
Há anos a Pegatron é acusado de abusos trabalhista na produção do iPhone, tanto que em 2014, a BBC fez uma investigação denunciando as péssimas condições de trabalho dentro das fábricas. Em resposta, a companhia convidou, no início do ano, jornalistas e fotógrafos para uma excursão dentro da fábrica de Xangai, mas impediu a visitação ao dormitório.

"Nos últimos anos, nós construímos novos e modernos dormitórios no campus e continuamos reformando as instalações existentes com o objetivo de proporcionar um ambiente confortável para os nossos colaboradores. Todos os quartos são equipado com instalações de controle de incêndio, de acordo com as normas nacionais, ar-condicionado, água quente 24 horas por dia, serviços de segurança e serviços de limpeza seis dias por semana”, afirma a empresa.

As leis trabalhistas chinesas não falam sobre os padrões de alojamento para os trabalhadores, embora edifícios alugados estejam cobertos por uma série de regulamentos de construção, de higiene e de segurança que se aplicam a qualquer unidade comercial.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As cidades brasileiras com maior número de dispositivos infectados por hackers

Os brasileiros precisam estar cada vez mais atentos com a segurança digital dos seus computadores e celulares. Um relatório da Norton by Symantec revela que o país é o terceiro com mais dispositivos infectados por hackers através de bots.
O país também se destacou como sendo o mais afetado da América Latina, com 37% dos equipamentos infectados. As cidades de São Paulo (36,3%), Rio de Janeiro (20,74%) e Curitiba (6,29%) concentram a maior parte das infecções no país. Além disso, a capital paulista é a segunda com o maior número de dispositivos infectados, ficando atrás somente da Cidade do México.

Veja as dez cidades brasileiras e da América Latina que mais sofrem ataques hackers:

Apenas em 2016, foram identificados mais de 6,7 milhões de dispositivos que foram adicionados à rede global de botnets – os bots são dispositivos conectados à internet infectados com malware que permitem que hackers assumam remotamente o controle de muitos dispositivos ao mesmo tempo –, sendo que mais de 689…

Como recuperar fotos apagadas do Instagram

(Foto: Reprodução)
Como recuperar fotos apagadas do Instagram


Caso você tenha apagado uma foto bacana do Instagram e queira recuperá-la, existem duas possibilidades de fazer isso, embora nenhuma delas garanta que sua imagem será de fato recuperada.

Abaixo explicamos de duas maneiras como encontrar uma foto que você já postou no Instagram. Uma delas depende do Facebook, enquanto a outra aposta na câmera do seu smartphone para resgatar imagens antigas.

Pelo Facebook

Caso você tenha vinculado sua conta do Instagram ao Facebook e costume postar as fotos nas duas redes simultaneamente, é bem provável que a foto removida do Instagram também esteja no seu Facebook.

Para encontrá-la, entre no seu perfil na rede social de Zuckerberg e procure pelos álbuns de fotos. Um deles chama "Instagram Photos" e conta com todas as imagens enviadas ao Facebook por conta do Instagram. Lá dentro, é só procurar a foto que você quer no meio delas.

Nas fotos do seu smartphone

Caso você mantenha ativada a opçã…

GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha

(Foto: Reprodução/Mashable)
GoPro revela a Hero 6 Black, sua nova câmera top de linha

A GoPro anunciou uma nova geração de sua tradicional câmera de ação. A Hero 6 Black chega para suceder a Hero 5 revelada no ano passado e traz uma série de novas capacidades para a câmera em termos de captura de imagem e conectividade.

Em termos de imagem, os usuários vão poder aproveitar a nova tecnologia para registrar vídeos em resolução 4K a uma taxa de 60 quadros por segundos. O modelo anterior só conseguia registrar 30 quadros por segundo nessa resolução. Além disso, quem preferir registrar vídeo em HD poderá aproveitar uma taxa de até 240 quadros por segundo, enquanto o antecessor só chegava a 120.

Já sobre conectividade, a chegada do suporte a redes Wi-Fi de 5 GHz será bem-vindo para quem já fez a transição para um roteador mais recente, com padrão 802.11ac. Isso pode permitir maiores taxas de transferência, o que é sempre uma boa notícia.

Outras mudanças incluem a melhoria na estabilização de ima…